- Anuncie
- Assine

 
 
 
Teatro // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


MUSICAL
Avenida Q

RUBENS CERQUEIRA
Cenografia, iluminação e trilha sonora da peça são discretas e expressivas
CHARLES MÖELLER E CLAUDIO BOTELHO
continuam sensíveis às figuras à margem do sistema. Se Florence Foster Jenkins, tida como "a pior cantora do mundo" e fonte inspiradora de Gloriosa, era involuntariamente aclamada, os tipos de Avenida Q surgem como outsiders residentes numa rua da periferia de Nova York. Aventurando-se no terreno do teatro de bonecos, ambos se preocuparam em dominar a técnica, preservando, porém, a humanidade dos personagens.

Os atores se mostram precisos no trabalho de manipulação, acentuando, através da máscara facial, as expressões dos bonecos. Mesmo assim, quem realmente brilha em cena é Claudia Netto, portadora de admirável timing e tirando o melhor partido de sua JapaNeuza. O espetáculo é muito bem cuidado, em especial no que se refere à cenografia de Rogério Falcão - não só pelas fachadas das casas, mas também pela reprodução em miniatura dos espaços internos. O contexto nova-iorquino foi mantido e complementado com referências brasileiras e notas da atualidade (incluídas de maneira algo excessiva). De qualquer modo, Avenida Q comprova, mais uma vez, a capacidade de Möeller e Botelho de surpreender em formatos variados. (14 anos) (D.S.W.)
★★★



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS