- Anuncie
- Assine

 
 
 
Moda // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Paris
Em vez da habitual ostentação, as passarelas francesas apresentam coleções mais concisas e comerciais para o próximo inverno

Texto Bianca Zaramella

AP

Será que a era do luxo chegou ao fim por causa da crise global? Ainda não, mas chega de exibicionismo. A palavra de ordem em Paris foi moderação. O desafio era criar peças atemporais sem perder o glamour. John Galliano não abriu mão de tecidos sofisticados para criar uma coleção inspirada nos países do Leste europeu com saias plissadas, mangas bufantes e correntes para vestir suas bonecas russas. Para Dior, a inspiração veio do Oriente. Calças tipo saruel e vestidos em seda também ganharam brilhos e cortes impecáveis sem grandes contenções nas mãos de Galliano. Para os demais estilistas, o resgate de antigas referências foi inevitável.

Para não errar, marcas tradicionais como Yves Saint Laurent, Givenchy e Lanvin investiram em cores neutras como o cinza, o branco e o preto, que voltou com força total, com o apoio de Chanel. Karl Lagerfeld resgatou a elegância dos dândis franceses com toques de branco, rosa e verde-folha em tailleurs e vestidos em lã. Neste inverno, a mulher também perdeu um pouco do romantismo para se tornar prática e moderna. Até a maison Valentino entrou na onda de sobriedade que dominou os desfiles e evitou os vestidos longos esvoaçantes. Desta vez, a grife trouxe peças com cortes quase geométricos e formas retas sem grandes detalhes.

Na passarela de Stella McCartney, contraste entre blazer de inspiração masculina e transparência, duas tendências fortes da estação. Já Marc Jacobs, fez uma ode às musas parisienses da década de 80 com suas roupas com efeitos drapeados e ombros marcados para a Louis Vuitton. Um resgate mínimo de glamour só para não perder o espírito que fez da França o berço da moda mundial.

John Galliano não abriu mão de tecidos e detalhes sofisticados para criar sua coleção inspirada nos países do Leste europeu

AFP

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS