- Anuncie
- Assine

 
 
 
Teatro // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Christina Mutarelli Em dose dupla
Em cartaz em São Paulo com a peça mulher de vestido preto, de Jorge Felix,a atriz fala de sua volta, depois de 17 anos, às novelas na próxima trama das sete da rede globo

TEXTO MARINA MONZILLO FOTO KARIME XAVIER/AG.ISTOÉ

Ela anda com a vida dividida entre trabalhos simultâneos no teatro e na tevê, mas mesmo assim Cristina Mutarelli recebeu a equipe de Gente em sua casa, no bairro do Pacaembu, em São Paulo, para uma tarde de bate-papo sem pressa com pipoca e coca-cola light. "Em tudo que faço na vida, busco qualidade e não quantidade. Gosto das pessoas e de um relacionamento mais íntimo com elas. Acho importante estar presente no presente", conta a atriz que está em cartaz em São Paulo, com a peça Uma Mulher de Vestido Preto e já iniciou as gravações da próxima novela das sete da Globo, Caras e Bocas, no Rio.

E é sobre o momento atual que Cristina quer falar: "Não importa o que eu já fiz. Se eu enlouquecer ou tiver um derrame, por exemplo, meu acúmulo de experiências deixa de existir. Tudo que fiz no passado não vale nada", acredita ela. Entretanto, a riqueza da sua trajetória não pode ser ignorada. Atriz, diretora de teatro, dramaturga, poeta, professora de artes cênicas e artista plástica, essa paulistana é conhecida por sua veia cômica e trabalhou com diretores como Naum Alves de Souza, José Possi Neto e José Celso Martinez Corrêa. Foi por dois anos da trupe de Paulo Autran, é autora do premiado monólogo Pai, encenado por Bete Coelho e dirigido por Autran no início dos anos 2000, e participou ainda como performer de duas Bienais Internacionais de São Paulo. Nos anos 90, fundou o Studio Cristina Mutarelli, escola de interpretação por onde passaram Didi Wagner, Alice Braga e Roger Gobeth, entre outros.

Aos 53 anos - "Pode colocar à vontade, porque acho que ter essa idade é uma vitória, sabe?" -, ela também é mãezona dedicada de Nicolas, 15 anos, com quem costuma ir ao estádio de futebol ver jogos do Palmeiras. Divorciada, Cristina vive com o filho e dois cachorros na casa que, assim como a moradora, tem muita história: foi construída há 45 anos pelo pai da atriz, engenheiro e professor da USP, em um terreno recebido como pagamento por um trabalho.

Amigo e também professor da universidade, Jean Maitrejean assinou o projeto arquitetônico. Na sala-de-estar, os móveis e objetos parecem ter uma razão para estar lá. A atriz revela, por exemplo, que a cadeira no canto chama-se Jean Genet, em homenagem ao escritor francês e é uma peça única dos irmãos Campana. O quadro apoiado no chão é uma colagem feita por ela própria. E as bonecas antigas, organizadas dentro de uma mala de couro igualmente vintage, foram colecionadas pela mãe, durante a infância de Cristina e da irmã.

Foi nesse cenário que, em 2005, a atriz organizou uma das últimas festas de aniversário do amigo e mestre Paulo Autran, que morreu em 2007. "Ela é preocupada com os amigos e adora reunir as pessoas. Foi durante essa festa que Paulo Autran falou que ela deveria encenar o meu texto", conta Jorge Felix, autor da peça e editor-executivo da revista Istoé.

Felix conta que o potencial de Cristina para comédia acrescentou muito à sua personagem Cleusa Maria, uma dona-de-casa que, abandonada pelo marido, vira sacoleira. "O humor é a característica mais forte da Cristina, ela arranca piada das coisas mais simples", diz ele.

Assim como a personagem do teatro, Dona Zoraide, a mãe de três filhos e esposa de médico da nova trama de Walcyr Carrasco, também é uma mulher dedicada à família. "Hoje em dia, elas não são valorizadas, mas deveriam. Ser dona-de-casa é tão ou mais importante do que os outros trabalhos", acredita a atriz.

Ela mesma abriu mão de convites da tevê para criar Nicolas de modo pleno. "Fiz minha última novela, Deus Nos Acuda, há 17 anos. Quando acabou, engravidei. Agora que ele tem maturidade para ficar sozinho, vou voltar. Criar um filho é maior que qualquer outra realização."

"Fiz minha última novela, Deus nos Acuda, há 17 anos. Quando acabou, engravidei. Agora que Nicolas tem maturidade para ficar sozinho, vou voltar"

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS