- Anuncie
- Assine

 
 
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


viagem inesquecível
Na terra de Fidel
O mar transparente de Varadero e jantar típico na casa de locais são algumas das recordações que a apresentadora Sabrina Sato trouxe de suas férias em Cuba, quando o ditador ainda estava no poder

No centro da capital, arquitetura retrô e carros antigos chamam a atenção da apresentadora
A apresentadora circula a bordo do típico Coco Táxi, ao lado do irmão, Karin

Quando decidiu fazer um tour pela América Central, em janeiro de 2006, época em que Fidel Castro ainda estava no poder, Sabrina Sato viu a oportunidade de realizar um sonho: conhecer Cuba. A paradisíaca praia de Varadero e a histórica capital, Havana, eram destinos obrigatórios no roteiro que incluía ainda Costa Rica e Aruba. Belas paisagens naturais, rica arquitetura e boa comida são itens fundamentais para determinar as férias de Sabrina. "Achei que Cuba tinha tudo isso misturado e conhecer o mundo de Fidel seria sensacional", contou ela, que viajou acompanhada do irmão, Karin.

Em Varadero, Sabrina ficou hospedada em um luxuoso resort de frente para o mar azul típico do Caribe. "A areia é branca e a água é transparente, dá para ver nosso pé o tempo inteiro", conta. A apresentadora também foi surpreendida com o tamanho das lagostas que experimentou nos restaurantes típicos da ilha. "As maiores que eu já comi", diz. Na praia, enquanto tomava sol, Sabrina passou por uma situação inusitada que a fez enxergar a diferença de quem vive sob o regime socialista. Ao ver que o celular da apresentadora era equipado com jogos eletrônicos, um cubano pediu o aparelho de presente porque o sonho do filho dele era ter um videogame. Mesmo sensibilizada, Sabrina não deu o telefone. "Até o dinheiro da barraquinha de artesanato vai para o governo e não para o vendedor", conta ela, que trouxe na bagagem camisetas e calendários com o rosto de Che Guevara.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS