- Anuncie
- Assine

 
 
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Tá Tudo Mudando


Fotos: DIVULGAÇÃO

COMPARAÇÕES EXAGERADAS sempre associaram Zé Ramalho a Bob Dylan por conta das letras verborrágicas, do canto meio falado e do caráter messiânico que pontuam as obras dos compositores. O artista paraibano, que já tinha gravado algumas versões de músicas do colega norte-americano ao longo de seus 30 anos de carreira, investe no parentesco em Tá Tudo Mudando - Zé Ramalho Canta Bob Dylan, editado simultaneamente em CD e DVD.

No geral, mesmo sem nunca alcançar o voo poético de Dylan, as versões são fiéis à ideologia do autor de "Like a Rolling Stone". Dylan, aliás, aprovou as letras escritas por nomes como Geraldo Azevedo, Bráulio Tavares, Maurício Baia e o próprio Ramalho. Mas, acima de tudo, Tá Tudo Mudando é projeto fiel ao universo do autor do "Frevo Mulher" com arranjos de tom nordestino. "Mr. Tambourine Man", por exemplo, virou "Mr. do Pandeiro", em alusão explícita a Jackson do Pandeiro (1919-1982). Já "Rock Feelingood", versão de "Tombstone Blues", cita o filme Tropa de Elite para ressaltar a conivência da classe média com a guerra gerada pelo tráfico de drogas. Ainda em sintonia com espírito brasileiro do projeto, "If Not for You", única música entoada na letra original em inglês, tem ritmo agalopado recorrente na obra do brasileiro. Zé Ramalho canta Bob Dylan como Zé Ramalho. Mauro Ferreira

sonoras

 


Três Meninas do Brasil,
Jussara Silveira, Rita Ribeiro e Teresa Cristina
Três cantoras de distintos universos musicais unem vozes num dos shows mais graciosos dos últimos anos. Maestro de Maria Bethânia, Jaime Alem arma cama de violões e percussões para que as intérpretes deitem e rolem ao cantar músicas de Moraes Moreira, Zeca Baleiro, Tom Zé e Dominguinhos. Prefira o DVD ao CD porque o vídeo capta a interação das cantoras no palco.

 

 

 

Barraco Dourado, Bangalafumenga
Cantoras como Maria Rita e Roberta Sá já recorreram a Rodrigo Maranhão, líder dessa banda carioca, para abastecer seus repertórios. Maranhão dá pausa na carreira solo para lançar o terceiro disco da Bangalafumenga, calcado em sua obra autoral. O mix de ritmos brasileiros como samba, maracatu e ciranda ganha abordagem pop, com moderna interação de naipe de metais com o baticum percussivo da Parede.

 


Live at the Matrix 1967, The Doors
Há anos pirateado em bootlegs disputados pelos fãs da banda de Jim Morrison (1943 - 1971), o registro do show dos Doors em março de 1967 no clube Matrix, em São Francisco (EUA), ganha edição oficial em CD duplo. A qualidade do áudio é satisfatória. Nesse show, a banda apresentou, pela primeira vez, músicas que entrariam em seu segundo álbum, Strange Days. (M.F.)

 

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Top 5 Larissa Maciel

A atriz, que estreou na tevê interpretando a cantora Maysa, conta quais são seus discos preferidos atualmente:

Made of Bricks (Kate Nash)
Live it Out (Metric)
Maysa - Quando Fala o Coração
(trilha da minissérie) - Maysa)
Kind of Blue (Miles Davis)
Time Capsule (B-52s)




Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS