- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Queime Depois de Ler
Irmãos Coen acertam a mão com uma trama tão absurda quanto seus hilariantes personagens

DIVULGAÇÃO
George Clooney interpreta um dos personagens excêntricos do longa

OS IRMÃOS Joel e Ethan Coen vão decepcionar quem esperava que se tornassem cineastas sérios após vencer o Oscar deste ano com o brutal Onde Os Fracos Não Têm Vez. Ainda bem. Pois a dupla volta endiabrada com Queime Depois de Ler, um thriller cômico movimentado por uma galeria de personagens tão excêntricos quanto disparatados. A trama é um emaranhado de acasos emendados com genialidade. John Malkovich é um agente da CIA demitido por alcoolismo, que decide se vingar ao relatar os podres da agência em um livro de memórias. Tilda Swinton é sua esposa, e também amante de George Clooney, um agente federal casado que, além de Tilda, sai com mulheres que garimpa pela internet. Uma delas é a funcionária de uma academia de ginástica vivida por Frances McDormand. Obcecada por fazer plástica, ela e o personal trainer Brad Pitt (a maior surpresa do filme) vão tentar angariar o dinheiro para a cirurgia ao chantagear Malkovich com o CD que contém os arquivos do livro, encontrado no chão da academia.

Confuso? Certamente. Aleatório? Jamais. A intenção é entreter. Mas em cada piada de humor negro há uma alfinetada na sociedade americana. A CIA é retratada como um órgão obsoleto, perdido em meio a teorias conspiratórias. O culto excessivo ao corpo e o sexo virtual também não escapam do olhar crítico dos cineastas. O final é abrupto e, de certa forma, arbitrário. Mas a verdade é que, mesmo quando não acertam todos os ponteiros, os Coen ainda são brisa rara entre tantas mentes esmorecidas de Hollywood. (Classificação Indicativa: a conferir) Suzana Uchôa Itiberê

Vi e Gostei Danton Mello

"Vi e amei o filme Feliz Natal, que meu irmão Selton Mello dirigiu. Deu muito orgulho. É um drama forte, pesado, que mexeu comigo porque ele conseguiu construir muito bem a desunião daquela família. Amei também a atuação de todo o elenco, Darlene Glória, Lúcio Mauro e Leonardo Medeiros"

Danton Mello é ator

CAUÉ MORENO/AG.ISTOÉ

 


Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS