- Anuncie
- Assine

 
 
 
Livros // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Tese
Caymmi e a bossa nova
Biógrafa de Dorival afirma que compositor antecipou a modernidade desenvolvida por João Gilberto

Após a bossa nova, obra de Caymmi deixou de ser enquadrada em rótulos regionais
AO RESSALTAR A EXTREMA musicalidade de João Gilberto, em texto escrito para a contracapa do primeiro LP do cantor (Chega de Saudade, 1959), Tom Jobim (1927-1994) referendou sua opinião com uma observação na qual dizia: "Caymmi também acha". A referência não era gratuita, como prova a biógrafa e neta do autor, Stella Caymmi, Caymmi e a Bossa Nova (Ibis Libris, 144 págs., R$ 35)
Baseado na tese acadêmica O Portador Inesperado - A Obra de Dorival Caymmi, defendida pela autora em 2006, o livro sustenta que o compositor, projetado nos anos 30, antecipou com harmonias inovadoras e inclassificáveis a modernidade desenvolvida por João Gilberto nos anos 50. Ela parte dos fundamentos da Estética da Recepção, teoria literária surgida na Alemanha em 1967, para mostrar como o surgimento da Bossa Nova, em 1958, alterou a percepção da obra de Caymmi, até então enquadrada em rótulos regionais. Embora nem sempre Stella se livre das armadilhas da linguagem acadêmica, sua abordagem é original. Mauro Ferreira

Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS