- Anuncie
- Assine

 
 
 
Festa // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Festa para poucos
O empresário Mario Bernardo Garnero e a modelo Schynaider reuniram 200 pessoas em festa discreta em sousas, na região de Campinas

POR SILVIANE NENO

Fotos: MARCOS ROSA e CLEIBY TREVISAN/ DIVULGAÇÃO
Os noivos no altar
Fotos: MARCOS ROSA e CLEIBY TREVISAN/ DIVULGAÇÃO

Chique e sem ostentação, como convém a contos de fada modernos. Assim foi o casamento do empresário Mario Bernardo Garnero com a top model internacional Schynaider Moura de Sousa. Ele, 41 anos, herdeiro de duas das famílias mais tradicionais da sociedade brasileira: os Garnero e os Monteiro de Carvalho. Ela, 19 anos, filha caçula de uma família de cinco irmãos, nascida no Piauí e descoberta em um concurso de beleza aos 13 anos. Mario e Schynaider estão juntos há pouco mais de um ano, vivem em Nova York e ela está grávida de três meses.

O casamento teve o tom de menos é mais. Havia pouco mais de 200 pessoas na Rasen – casa de eventos em Sousas, na região de Campinas. A família Garnero tem fazenda ali perto. E no século 19, o patriarca, coronel Antonio Joaquim Monteiro de Carvalho e Silva, foi interventor de Campinas, indicado pela Monarquia.

O clima era de reencontro de velhos amigos, ruidosamente alegre, como costumam ser os encontros de membros de clãs numerosos. Olavo Monteiro de Carvalho, tio do noivo, sacava do bolso uma maquininha digital, formava pequenos grupos e pedia “Sorriam, é para a Vanity Fair”, referindo-se, em tom de brincadeira, à célebre revista americana. Era prontamente atendido.

A cerimônia foi marcada para as 20 horas, e uma hora depois, com o atraso regulamentar e tradicional, ainda havia convidados chegando. O próprio noivo, vestindo Tom Ford, se atrasou. “Marito, Marito”, dizia Olavo, clamando por mais um clique. Mario saracoteava de um lado para outro cumprimentando os amigos. Simpático, bem-nascido e carismático, ele acumulou boas relações no mundo inteiro. Por isso, ali se ouviam diversas línguas além do português. Salah Izzedin, libanês de Miami, dono de quinze restaurantes nos Estados Unidos, circulava com duas modelos altíssimas, a perder de vista. Chamava a atenção com um enorme colar de pedras por cima da camisa branca.

Fotos: MARCOS ROSA e CLEIBY TREVISAN/ DIVULGAÇÃO
PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>

Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS