- Anuncie
- Assine

 
 
 
Livros // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Paulo Coelho
A arte e o sonho
O escritor lança O Vencedor Está Só (Agir, 400 págs., R$ 39,90), romance que se passa durante 24 horas do Festival de Cinema de Cannes. No badalado cenário, desfilam personagens da Superclasse, outros que desejam ardentemente pertencer a esse seleto grupo e um serial killer russo. Paulo Coelho falou à Gente

"Fico excitado, não me acostumei", diz Paulo Coelho, sobre o lançamento de um livro
Por que resolveu escrever sobre a Superclasse, a elite das elites que dita moda e define os rumos do mundo em que vivemos?
Porque é uma realidade, cada vez menos gente controla mais gente. O termo Superclasse não é meu, é de um escritor chamado David Rothkopf, que escreveu um livro com esse título e cita eu, o (presidente) Lula e o (banqueiro) Joseph Safra como os brasileiros da Superclasse.

Entre todos os circuitos de celebridades, por que escolheu o Festival de Cannes para ambientar a história?
Poderia ter escolhido a Fórmula 1. St.-Tropez, eu acho chato. E o Festival de Cannes é o que eu conheço, adoro, porque une a arte e o sonho.

Por que inserir um serial killer neste mundo de glamour e festa?
Porque me propus a fazer um retrato justo do momento em que vivemos. E o mundo está baseado num tripé: glamour, sexo e violência.

Qual foi a importância da pesquisa de campo para criar este romance?
Foi maior do que em qualquer outro livro meu. Conversei com costureiros e psiquiatras. Foi gostoso, me surpreendi muito. Não conhecia muito da área de moda. Não sabia que existiam butiques de tendências, por exemplo.

Sua biografia, O Mago, escrita pelo Fernando Morais, foi recentemente lançada. Como é ler um livro sobre a própria vida?
É uma experiência surrealista. Não sabia o que ele (Fernando Morais) tinha escrito, abri meu baú e pronto. E quem já teve um diário sabe que eu não tinha a menor idéia do que havia lá. Ele fez um ótimo trabalho, mas aquele, ao mesmo tempo, é e não é o meu retrato. Porque falta a parte espiritual que não está no livro e nem poderia estar.

Depois de 12 livros publicados, ainda fica ansioso com um lançamento? Com a receptividade ao novo trabalho?
Fico excitado, não me acostumei. O que me motiva ainda está aqui, claro, é o desafio, a alegria de escrever.
Marina Monzillo

Bienal do Livro
Além do mais recente romance de Paulo Coelho, as editoras guardaram para a 20ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo outras novidades. Confira alguns destaques do evento que acontece de 14 a 24 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi.
ANJO DE QUATRO PATAS
Walcyr Carrasco
(Gente)
MADONNA, 50 ANOS DE UM ÍCONE
Lucy O'Brien
(Nova Fronteira)
O MUNDO É BÁRBARO
Luis Fernando Verissimo
(Objetiva)
HOMEM NO ESCURO
Paul Auster
(Companhia das Letras)
JAMIE EM CASA
Jamie Oliver
(Globo)
A GUERRA DO FIM DO MUNDO
Mario Vargas Llosa
(Alfaguara)
A BANDEIRA INGLESA
Imre Kértesz
(Planeta)
 


 


Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS