- Anuncie
- Assine

 
 
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







Carreira
Menino do Vidigal
Thiago Martins conta a aventura para conseguir o papel de protagonista do filme Era Uma Vez... e fala do namoro com Fernanda Paes Leme

TEXTO AINA PINTO FOTO KARIME XAVIER/ AG.ISTOÉ

Thiago Martins começou a fazer teatro aos cinco anos

Quando saiu de casa, na manhã de 13 de fevereiro do ano passado, Thiago Martins estava decidido a conseguir o papel de Dé, protagonista do filme Era Uma Vez.... No caminho, foi parado pela polícia. “Estou mal vestido e careca por causa de um personagem”, explicou. Foi liberado, mas achou que o dia não tinha começado bem. Estava preocupado com o teste que faria em seguida. Ele estava tentando o papel havia um ano e sabia que o diretor Breno Silveira não o queria. Thiago fazia questão de participar do filme. “Como o personagem, sou trabalhador e moro no morro”, diz ele, que vive no Vidigal, no Rio de Janeiro. “Também enfrentei preconceito por namorar uma garota que morava em um bairro nobre.”

Atualmente, o ator namora Fernanda Paes Leme, de 25 anos. Fica hospedado na casa da família dela, em uma área nobre de São Paulo, quando ambos estão na cidade. Os dois se conheceram quando faziam a novela Desejo Proibido, na Globo, e o namoro começou em maio, mesma época em que foram flagrados aos beijos em um restaurante no Rio. Thiago prefere que essa parte da narrativa tenha ar de mistério. "Gosto de namorar e estou muito, muito feliz”, limita-se.

Experiência
Thiago gosta de contar outros capítulos de sua história. Tímido e de poucos sorrisos, não esconde o orgulho de ser visto como herói pelos jovens do lugar onde mora. Fala do Vidigal com carinho, mesmo que naquele cenário tenha vivido passagens de filme policial, com direito a balas perdidas e preconceitos. Quando comenta a responsabilidade de agir sempre certo, Thiago parece mais velho. Só revela seus 19 anos no jeito impaciente. Não gosta de gravações demoradas e sessões de fotos. Entre os planos para o futuro, está a faculdade de cinema.

Com seis filmes no currículo, ele em breve aparecerá no alemão Show de Bola e em Ave, Caruana, de Tizuka Yamazaki. O primeiro trabalho no cinema foi aos 13 anos, em Cidade de Deus. “Mas estou nesse meio há 14”, contabiliza. Sim, ele começou aos cinco, quando, influenciado pelo irmão mais velho, ídolo e também ator Carlos, entrou para o Nós do Morro. A primeira novela, Da Cor do Pecado, veio em 2004, por indicação de Giovanna Antonelli, com quem tinha feito um filme. Estava de malas prontas para ir para Portugal, jogar futebol profissionalmente, quando soube que tinha sido aprovado para a novela. Ficou e, no ano seguinte, estava em Belíssima.

A fama, no entanto, quase foi a vilã da história. Breno Silveira buscava um ator negro como protagonista de Era Uma Vez... e não gostava do título de jovem galã que Thiago ganhou com a novela. O ator, então, passou nove horas sob o sol e raspou os cabelos. Naquela manhã de fevereiro, colocou uma roupa velha e seguiu para o estúdio. Conseguiu que o diretor o deixasse fazer mais uma prova e, depois, foi jogar futebol. O dia, que não tinha começado bem, também não terminou bem. Após o jogo, com fortes dores, o ator foi internado e sofreu uma cirurgia para retirada do apêndice. Ainda no hospital, recebeu o telefonema do diretor, que havia se convencido de que Thiago seria ideal para o papel. “Gritei tanto que assustei as enfermeiras”, sorri.

 


Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS