- Anuncie
- Assine

 
 
 
 
Gastronomia // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 







O champanhe e a Pinot Noir
Em viagem ao Brasil, o francês Michel Drappier aposta nesta cepa tinta

Suzana Barelli

Michel Drappier, nos vinhedos ao sul de Champanhe

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

A branca Chardonnay e as tintas Pinot Noir e Pinot Meunier são as três uvas que dão origem ao champanhe, o mais famoso vinho espumante do mundo. Mas no caso da Drappier, a marca preferida de personalidades como o ex-presidente francês Charles de Gaulle, todos os louros vão para a Pinot Noir, que ocupa 70% de seus 75 hectares de vinhedos. “Esta variedade traz mais personalidade e elegância ao champanhe”, defende Michel Drappier, em sua primeira visita de trabalho ao Brasil na semana passada (duas décadas atrás, ele já passou por aqui, mas em viagem de férias).

E, segundo Michel Drappier, esta cepa, pela sua delicadeza, torna também o champanhe mais harmônico para acompanhar as receitas à mesa. Em geral, a Chardonnay traz mais aromas à bebida, e a Pinot Meunier, estrutura. E cada vinícola decide que porcentagem de uva utilizar na elaboração de seu espumante.

Nos domínios da Drappier, a paixão pela Pinot Noir é antiga. Antes mesmo da fundação da casa, em 1808, a variedade já era dominante na região. Michel Drappier conta que há registros do plantio desta cepa no distante século XII. Provavelmente, a Pinot Noir foi plantada pela primeira vez na década de 1120, pelos monges que habitavam esta região ao norte de Paris.

Atualmente, a vinícola tem a maioria de seus vinhedos em Urville, região mais ao sul de Champanhe e onde a Pinot Noir melhor se adapta ao solo calcário local. A Chardonnay e a Pinot Meunier também são cultivadas com o propósito de complementar a linha de espumantes da vinícola. E a Drappier é uma das poucas a ter um blanc de noirs, como é chamado o champanhe elaborado apenas com uvas tintas, no caso o champanhe Brut Nature, um 100% Pinot Noir.

LA GRANDE SENDRÉE – Com a safra estampada no rótulo, tem 55% de Pinot Noir e 45% de Chardonnay. Custa R$ 278

CARTE D’OR – Elaborado com 80% de Pinot Noir, 15% de Chardonnay e 5% de Pinot Meunier, é o champanhe “básico”, que define o estilo da casa. Custa R$ 173

CUVÉE CHARLES DE GAULLE – Homenagem ao ex-presidente francês, tem 80% de Pinot Noir e 20% de Chardonnay. Custa R$ 218

BRUT NATURE ZERO DOSAGE – Elaborado apenas com a Pinot Noir e sem o "liqueur d'expédition”, é o mais seco de todos. Custa R$ 187

 

Os champanhes Drappier são vendidos pela Zahil –
r. Manoel Guedes, 294, tel: 11-3071-2900


Copyright © 2008 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff - Media Solutions