Teatro • Home• Revista 25/3/2008
Tragédia
Otelo
Diogo Vilela projeta a maldade do antagonista Iago, mas a montagem se perde em excessos

Fotos: DIVULGAÇÃO
Diogo Vilela e Luciano Quirino, que interpreta o papel-título do clássico shakespeariano

A BUSCA por um certo formato espetacular prejudica o resultado desta nova versão de Otelo, de William Shakespeare, assinada em parceria por Diogo Vilela e Marcus Alvisi. Algumas opções, como a tentativa de estabelecer uma conexão com a gramática cinematográfica e com a dimensão épica por meio da projeção de imagens, sobrecarregam o espetáculo. A trilha sonora (a cargo dos próprios diretores) também é utilizada de forma excessiva em cena.

Otelo ainda perde pontos com o fraco rendimento de boa

parte do elenco. Diogo Vilela projeta a maledicência de Iago, mas apresenta um trabalho de construção à mostra, como se explicitasse com freqüência a musicalidade da fala e valorizasse de modo um pouco didático as intenções do personagem. Luciano Quirino não alcança a força trágica de Otelo. Sua interpretação fica marcada por uma intensidade emocional postiça. Completando o trio de protagonistas, Marcella Rica se revela imatura na criação de Desdêmona.

Os problemas esboçados no primeiro ato aumentam a partir

do início do segundo, quando toda a montagem passa a sofrer de maneira mais evidente com os exageros da direção.

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

 

 

No entanto, mesmo que tenha faltado um senso de medida ao espetáculo de Vilela e Alvisi, há soluções apreciáveis na iluminação de Jorginho de Carvalho e na cenografia de Ronald Teixeira, que ambienta a ação numa espécie de palco suspenso cujos elementos são descortinados diante do espectador ao longo da encenação. Daniel Schenker Wajnberg

 

 

Fotos: DIVULGAÇÃO

A DIVERSIDADE DE VILELA

O genérico termo diversidade pode ser aplicado a Diogo Vilela. O ator tem se dedicado a empreitadas como interpretar Hamlet e, agora, Otelo. Mas também fez escolhas muito diferentes no decorrer do tempo.

No ramo dos musicais, se “transformou” em Nelson Gonçalves, em Metralha, e em Cauby Peixoto, em Cauby! Cauby!, valorizando sempre a composição minuciosa, a reprodução detalhada de uma construção física não limitada tão-somente à cristalizintegrou o elenco da montagem de Aderbal Freire-Filho para Tio Vânia, de Tchekhov. Anos antes havia agradado com Solidão, A Comédia, de Vicente Pereira, dirigido por Marcus Alvisi, parceiro habitual em muitas viagens teatrais. Talvez Diogo Vilela seja um ator acostumado a formar vínculos. Vale evocar sua ligação com Henriette Morineau, bastante lembrada pela contracena em Ensina-me a Viver. O encontro com Gloria Menezes também foi surpreendente, a julgar pelo entrosamento de ambos em Jornada de um Poema, marcado por elogiada direção do ator. (D.S.W.)

Sesc Ginástico – av. Graça Aranha, 187, Rio de Janeiro, tel. (21) 2279-4027. Até 1/6.