Gastronomia • Home• Revista 19/2/2008
Vinhos

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

O segredo das bodegas dos hermanos
Enólogo argentino da vinícola Norton apresenta seus produtos e elogia o vinho nacional

Faz quinze anos que Jorge Riccitelli escolhe as variedades das uvas e proporções que compõem cada garrafa de vinho produzida na Bodega Norton, no centro-oeste da Argentina. De família simples e criado por agricultores, entre os vinhedos que beiram o rio Mendoza, ele contraria o estereótipo do “eno-chato”, comum entre seus colegas de profissão. Trata cada safra como um filho e nem parece que comanda as produções da vinícola número 1 em exportações do país vizinho. “O importante é manter o caráter familiar da empresa. Esse é o segredo dos grandes vinhos”, afirma Riccitelli.

Em São Paulo para uma degustação elaborada pela rede Expand, o enólogo apresentou o que considera suas obras-primas, todas constituídas majoritariamente de uvas Malbec. “A uva Malbec produzida na Argentina proporciona safras impressionantes porque sofre pouco com a ação do clima. Por isso não existem variações muito significativas de um ano para outro”, diz Riccitelli. Entre os vinhos degustados estava o carro-chefe das vendas no exterior, o Norton Privado 2004 (R$ 125), e um novo rótulo, ainda sem previsão de chegada às lojas e sem preço determinado, o Gernot Langes 2003, que leva o nome do proprietário da vinícola.

Sobre a produção brasileira, o enólogo é só elogios. “O Brasil atingiu um nível muito bom, porque se preocupa com a qualidade das caves e forma profissionais competentes”, completa. Gustavo Maia

Jorge Riccitelli comanda a vinícola número 1 em exportação. Ao lado, o GERNOT LANGES 2003 e o NORTON PRIVADO 2004

Vinhos Norton – de R$ 27 a R$ 225, à venda na Expand (www.expand.com.br, tel. 11-3847-4747)

Los Chicanos

Novidade mexicana
Restaurante oferece pratos diversificados regados a muito chilli

CLEIBY TREVISAN
Com picanha, prato feito para agradar aos brasileiros

Para conhecer um pouco dos rústicos sabores do México, uma nova opção é a casa paulista Los Chicanos, localizada em Moema, com decoração em madeira, aconchegante como os vilarejos de Porto Juarez, e com um imenso painel que representa a região árida mexicana.

“Procuramos respeitar a tradição. Nossas tortillas são artesanais. Prove e sinta a diferença”, orgulha-se o chef Valdir de Andrade Sena, há 15 anos preparando pratos mexicanos com ingredientes milenares. Uma de suas receitas preferidas é o frango em cubos ao molho de chocolate com pimenta. Para agradar aos brasileiros, há picanha ao molho de pimentões com arroz jalapeño e costelas de porco ao molho de pimentadedo- de-moça e tomates. A sobremesa carro-chefe da casa é a Papaya el Diablo – caramelizada e flambada com tequila. Para fechar com uma dose de ouro, peça a Cuervo Reserva de la Familia. O preço também é picante: R$ 570 a garrafa. Luciana Sgarbi

Entrada R$ 30
Prato Principal R$ 47
Sobremesa R$ 10
Los Chicanos – av. Lavandisca,
457, São Paulo, tel. (11) 5051-6537