Teatro • Home• Revista 26/11/2007
Ping-Pong BRUCE GOMLEVSKY
"Não há macumba"
Na quinta 22, dia em que completa 33 anos, Bruce Gomlevsky estréia em São Paulo o espetáculo Renato Russo, uma biografia do líder da banda Legião Urbana. A peça, que tem citações literais do cantor e compositor, conta a vida dele desde a infância

Aina Pinto

Bruce Gomlevsky conta que cresceu ouvindo Legião

Você era fã da Legião Urbana?
Cresci ouvindo as músicas, mas o que me instigou no Renato Russo foi o fato de ele, como poucos artistas, conhecer muito sobre arte. Era um erudito que fez sucesso popular.

Quanto tempo levou para chegar à caracterização?
Fiz aulas de canto, vi entrevistas. Uso lentes porque tenho os olhos claros, pinto o cabelo e a barba. Mas o mais importante é a alma do Renato, as idiossincrasias dele. A caracterização foi pensada para ser realista, como se faz no cinema, como a da atriz que interpreta Edith Piaf (Marion Cotillard em Piaf – Hino ao Amor), ou do Jamie Foxx como Ray Charles (em Ray).

Você está em cartaz com a peça há mais de um ano, fez também o mesmo personagem em um especial de tevê. Não tem receio de ficar marcado pelo papel?
Quero que sempre se lembrem desse espetáculo porque é um marco na minha vida. Charles Chaplin ficou marcado por um papel. Mas não me acomodo, quero ser reconhecido não só por esse papel, mas pela minha obra que, se Deus quiser, vai ser vasta.

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

Há uma divergência entre a família de Renato Russo e os músicos da banda. Você teve problemas com isso?
Nenhum, nem com a família, nem com a banda, muito pelo contrário. O Dado (Villa-Lobos) viu a peça e ficou comovido. Ele e o Marcelo Bonfá deram entrevistas quando eu estava pesquisando para a peça.

Qual a reação mais impressionante que já presenciou durante as apresentações?
Mesmo depois de 11 anos da morte do Renato, as pessoas cantam as músicas, ficam comovidas. Recebo até presentes. Há quem pire, ache que está no show da Legião. Dizem que incorporo o personagem. Não é isso. Não há macumba. Há um trabalho artístico.

CCBB-SP – r. Álvares Penteado, 112, São Paulo,
tel. (11) 2163-2000. Até 16/12.