Teatro • Home• Revista 17/9/2007
O Bem Amado
Versão da obra de Dias Gomes protagonizada por Marco Nanini e dirigida por Enrique Diaz seduz pelo visual

Marco Nanini utiliza parte de seus recursos como comediante como Odorico Paraguaçu
COMÉDIA
APESAR de concebida para o tradicional formato de palco italiano, a nova versão de O Bem Amado extravasa pelos corredores do Teatro das Artes, inserindo o público na ação da história de Dias Gomes. Não por acaso, logo no início da apresentação, os espectadores são "incluídos" no comício de Odorico Paraguaçu. Trata-se de uma das apostas do diretor Enrique Diaz na busca por uma interação direta entre espetáculo e platéia e por uma cena quente, favorecida pela iluminação colorida e vibrante de Maneco Quinderé. O resultado é fluente, ainda que sustentado, em certa medida, pelo tratamento estético arrojado da cenografia de Gringo Cardia, que se sobrepõe ao conjunto, aproximando O Bem-Amado das características de uma montagem de grife. Marco Nanini utiliza parte de seus vastos recursos de comediante para a criação de um Odorico carismático. Os demais atores transitam com correção pelos personagens pitorescos, valendo destacar a composição precisa de Gustavo Gasparani para o justiceiro Zeca Diabo. Enrique Diaz extrai momentos divertidos da obra de Dias Gomes. Mas não chega a marcar uma evolução em sua trajetória à frente da Cia. dos Atores.
ESTRELAS:
(D.S.W.)

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia

A ORIGEM
A história do político Odorico Paraguaçu nasceu como peça teatral, escrita por Dias Gomes, em 1962, com o título de Odorico, O Bem-Amado ou Os Mistérios do Amor e da Morte, que trazia Procópio Ferreira no elenco na montagem de 1969. Virou novela da Rede Globo, a primeira produzida em cores pela televisão brasileira, exibida entre janeiro e outubro de 1973, no horário das 22h. E, finalmente, rendeu uma série, também na Globo, que ficou no ar entre 1980 e 1984. Nos personagens principais, atores como Paulo Gracindo (Odorico), Lima Duarte (Zeca Diabo) e Emiliano Queiroz (Dirceu Borboleta).

Teatro das Artes - r. Marquês de São Vicente, 52/2º andar (Shopping da Gávea), Rio, tel. (21) 2540-6004. Até 25/11.