Televisão • Home• Revista 14/8/2007
Uma vilã para Juliana
A ATRIZ JULIANA DIDONE FOI MODELO, TRABALHOU NO JAPÃO E SE INSPIROU NAS PATRICINHAS DE SÃO PAULO PARA COMPOR SUA PERSONAGEM EM PARAÍSO TROPICAL

TEXTO CLAUDIA JORDÃO

Envie esta matéria para um amigo

Quando foi convidada para interpretar a Fernanda da novela Paraíso Tropical, a atriz Juliana Didone, 23 anos, ficou tão ansiosa com a idéia de poder mostrar seu trabalho no horário nobre da Globo que resolveu dar uma volta na sofisticada rua Oscar Freire, em São Paulo. O passeio pela badalação dos Jardins não era para esfriar a cabeça, nem um surto consumista. Circulando entre lojas de grifes e cafés descolados, a atriz fez seu laboratório. Reparava no modo de andar, falar e se portar das mulheres que passavam por ali. "Fiz isso sempre que estava em São Paulo, porque a minha personagem é uma patricinha paulistana. Diferente das do Rio, que, por mais patricinhas que sejam, são meio chinelo de dedo, né?", diz ela.

Ela não esconde a felicidade com a personagem. "Estou podendo mostrar outro lado meu como atriz. Até então, só tinha feito personagens doces, boazinhas e de bom caráter. Agora é uma vilãzinha muito doida, dissimulada", diz ela. O esforço tem rendido elogios. O autor Gilberto Braga está contente com o trabalho de Juliana. Para ele, ela tem três características que, juntas, costumam render bons resultados: "Ela é bonita, inteligente e muito boa atriz", diz Gilberto.

Gaúcha de Porto Alegre, Juliana começou a estudar teatro aos dez anos. Na adolescência mudou-se para São Paulo, onde fez um curso de interpretação. Depois disso, com trabalho engatilhado na Globo, seguiu para o Rio, onde mora sozinha. Ela estreou na tevê em Desejos de Mulher (2002) no papel de uma modelo gaúcha. Nesse caso, compor a personagem foi mais fácil. Juliana também foi modelo e, aos 14 anos, passou duas temporadas - de cinco meses ao todo - no Japão. "Fui morrendo de medo, não falava uma palavra em inglês, no início era só mímica", diz ela. "Aprendi a dar valor à minha família. Ficar longe de casa me ensinou muito."