Música • Home• Revista 12/6/2007
PING-PONG
John Stirrat, baixista do Wilco
"Não se pode agradar a todos"

Envie esta matéria para um amigo

Leia também

Cinema
Exposição
Música
Livros
Teatro
Internet
Televisão
Gastronomia
Com CD recém-lançado, o Wilco pretende vir ao Brasil em breve

Uma das bandas mais queridas pela turma indie brasileira, o Wilco acaba de lançar o CD Sky Blue Sky. Recheado de baladas e músicas melódicas, o álbum rompe com a levada mais rock dos últimos discos, mas ainda assim mantém o grupo americano como um dos melhores de sua geração. O baixista John Stirrat conversou com Gente.

A banda já esteve no Brasil com um show bastante elogiado. Que lembranças você tem daqui?
Foi maravilhoso tocar no Brasil, melhor ainda foi conhecer o Rio de Janeiro. Uma das coisas que lembro é que foi muito gostoso andar por Santa Teresa com minha noiva. Sentamos num barzinho, ficamos ouvindo um pouco de música brasileira, foi realmente muito bom.

Então pretendem voltar ao Brasil?
Com toda certeza! Gostaríamos de fazer isso ainda este ano. Sei que há muitos festivais agora. Preciso dizer uma coisa que parece clichê, mas é verdade: a gente ama o Brasil.

Sky Blue Sky é um pouco diferente do que vocês vinham fazendo. Qual o conceito do álbum?
Olha, as idéias para esse disco existem desde o primeiro álbum. Passamos três anos trabalhando ininterruptamente, mas nunca esquecemos delas. Acho que elas podem ser consideradas como parte de um processo natural e evolutivo da banda.

Acha que os fãs vão gostar desse álbum?
Apesar de termos recebido boas críticas, algumas pessoas ficam desapontadas com nosso trabalho às vezes, o que é compreensível, não se pode agradar a todos. Mas quer saber? Não nos importamos muito com isso. Queremos continuar fazendo nossa música. Fernando Oliveira