Carreira • Home• Revista 16/5/2007
Gero Radical
Gero Pestalozzi trocou a engenharia e a arquitetura pela carreira de ator, hoje está em Pé na Jaca e é casado com a cantora Vanessa da Matta

Texto Elena Corrêa
Foto Lenandro Pimentel


Envie esta matéria para um amigo
"Eu quase não assistia à televisão. Cheguei para uma reunião, conversei e já assinei contrato", diz ele, que começou no Sandy & Junior

Apaixonado por esportes radicais, o paulistano Gero Pestalozzi, 37 anos, nunca pensou duas vezes quando precisou enfrentar novos desafios. Até o final dos anos 90, levava uma vida tranqüila como estudante de engenharia elétrica da USP e fazendo trabalhos esporádicos como modelo. Inquieto, trocou a engenharia pela arquitetura e decidiu se matricular na Oficina de Atores da Globo. Pouco tempo depois de iniciar o curso, foi aprovado em um teste para o seriado Sandy & Junior. "Eu quase não assistia à televisão. Cheguei para uma reunião, conversei e já assinei contrato para ficar um mês em Campinas fazendo o seriado", lembra ele, que abandonou a arquitetura e hoje vive o Deodato de Pé na Jaca.

Em seu terceiro trabalho com Carlos Lombardi - o primeiro foi a minissérie Quinto dos Infernos e depois a novela Kubanacan, ele se surpreende ao ser indagado se faz parte do "time" do autor. "Fiz teste para todos os trabalhos. Corri atrás do meu jeito, sem ser ostensivo", diz ele, desdenhando do rótulo de "bonitão" dado aos atores que sempre atuam nas histórias de Lombardi. Betty Lago, sua colega de elenco, enaltece as qualidades do ator. "Ele é muito disciplinado e sabe controlar muito bem o ego. Acho gostoso e tranqüilo trabalhar com Gero."

Casado há dois anos e meio com a cantora Vanessa da Matta, Gero Pestalozzi não gosta de falar de vida pessoal. Mas, aos poucos, conta que a base do casal é em São Paulo e diz que muitas vezes ele e Vanessa conseguem conciliar as agendas quando estão trabalhando em outros lugares. Numa dessas oportunidades, no Ceará, descobriu o kite surfe. "Sempre gostei de vento, se me oferecerem um iate de R$ 5 milhões e um veleirinho de R$ 100 mil, pego o veleirinho", diz ele, que toma aulas, no Rio.