CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 CELEBRIDADE
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA
 

12/03/2001

PASSARELAS

SUYANE MOREIRA
Iracema fashion
Neta de índios e africanos, a modelo que aprendeu a ler aos 9 anos e quis ser bailarina do É o Tchan! será capa de uma das bíblias da moda internacional com apenas três meses de carreira

Edwin Paladino

Suyane: sonho de ser dançarina do É o Tchan!

Aos 12 anos, a cearense Suyane Moreira queria ser dançarina de axé music. Em Juazeiro do Norte, onde nasceu, acompanhava pela tevê o gingado das bailarinas do grupo baiano É o Tchan!. Neta de índios e negros africanos, até pensou em se inscrever para o concurso da morena do Tchan – vencido por Scheila Carvalho –, mas o corpo esquálido e sem formas de adolescente não era páreo para as garotas curvilíneas do concurso. “Não tinha um popozão”, lembra.

O sonho de rebolar de shortinho e miniblusa nos palcos do País, porém, acabou aos 14 anos, depois de assistir a um desfile da top model inglesa Naomi Campbell pela tevê. “Fiquei fascinada e decidi ser modelo naquela hora”, diz.

Hoje, aos 18 anos, 1,75 metro, 54 quilos, dona de curvas generosas, boca carnuda e longos cabelos negros herdados da avó índia, Suyane é a nova aposta entre as top models brasileiras. Com três meses de carreira, é capa da edição de abril da revista ID, bíblia da moda britânica, e fotografou, recentemente, no Rio de Janeiro, para a Vogue Itália. “Ela simboliza a miscigenação do Brasil entre as loiras das passarelas”, diz o estilista Carlos Miéle, que a contratou para ilustrar a campanha publicitária da coleção de inverno da M. Officer. “Sabia que ela seria uma top model”, orgulha-se o padrasto José da Silva Ribeiro.

Cleber Bonato/AE
No São Paulo Fashion Week, onde caiu em prantos: “Meu sonho se realizou”, diz

As fotos para o catálogo da marca de Miéle foi o primeiro grande trabalho de moda de Suyane. Antes, ela apenas desfilava para pequenas lojas em sua cidade natal. Percorreu um caminho duro até chegar ao brilho das passarelas de São Paulo.

A mãe Antônia Moreira, enfermeira, teve de juntar dinheiro para o presente de debutante da filha. “Ganhei um curso de manequim aos 15 anos”, conta a modelo, que cresceu rodeada de bichinhos de pelúcia e só aprendeu a ler e a escrever aos 9 anos, quando começou a freqüentar a escola. “Sou a caçula, minha mãe trabalhava fora e eu tinha de ficar com meus irmãos”, lembra. “Na escola, era muito diferente das garotas, meu apelido era vara-de-catar-coco”, completa a modelo, com leve sotaque nordestino.

Como modelo na pequena Juazeiro, ganhava pouco. “Não me importava muito com o cachê, gostava de ver as pessoas me olhando na passarela”, diz Suyane. Para ajudar a família de quatro irmãos e continuar com o curso de manequim, foi recepcionista de feira de carros e de calçados. Ganhava de R$ 150 a R$ 200 por semana. “E recebia muito cantada”, acrescenta. Em casa, reunia as amigas para sessões de maquiagem e fotos. Cobrava R$ 5 por imagem clicada.

Quando completou 17 anos, foi convidada para um pequeno desfile na cidade. A melhor modelo receberia uma calça de couro vermelha como prêmio. “Disse para a minha mãe que seria meu último trabalho de moda”, lembra. Na passarela, a beleza miscigenada atraiu uma caça-talentos que estava na cidade. Suyane faturou a calça de couro e a inscrição para o concurso Supermodel of The World, da agência Ford. Enfrentou 52 mil candidatas e tirou quarto lugar em outubro passado, em São Paulo.

Reprodução
À esq., aos 15 anos, em Juazeiro do Norte e, ao lado, na primeira comunhão: religiosidade desde menina

A carreira fulminante tem a bênção de Padre Cícero. Devota do padroeiro, fez promessa para seguir a profissão no ano passado. Em Juazeiro do Norte, sob o sol do meio-dia do agreste, subiu por uma hora e meia a ladeira que leva à imagem do padre descalça para entregar o pedido para o santo. “Rezei muito”, lembra.

A concretização da promessa a emocionou. Nos bastidores do primeiro dia de desfiles do São Paulo Fashion Week, em janeiro, Suyane caiu em prantos. “Meu sonho está sendo realizado”, explicou às outras modelos. Após a estréia nas passarelas, ela só quer mostrar seu charme enquanto não realiza o próximo sonho: “Podem rir de mim, mas quero conhecer a Xuxa”, diz.

Comente esta matéria

 

ENQUETE
Você faria o teste para detectar o vírus da aids:
• Para viver tranquilamente
• Como prova de amor ao parceiro
• Não faria, pois tem medo
• Nunca pensou nisso
• Faz o teste periodicamente
:: VOTAR ::
 
FÓRUM I
O que você achou da decisão da top Gisele Bündchen de abandonar as passarelas?
 
FÓRUM II
Quais são as suas expectativas em relação ao herdeiro político de Covas, Geraldo Alckmin?
 

Teste os seus conhecimentos sobre as celebridades
 
TARÔ ONLINE

É fácil, rápido
e inspirado: experimente!
 

Horóscopo

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER

| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ÁGUA NA BOCA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2001 Editora Três