CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 CELEBRIDADE
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA
 

ARLETE SALLES

12/03/2001

“Descobri o salto alto aos 60”- continuaçãO

André Durão

“Sem dúvida namoraria um homem bem mais jovem, desde que não fosse vazio. Sou jovial, não me vejo namorando uma pessoa mais velha”

E como você mudou isso?
Quando comecei os ensaios de A Vida Passa decidi que só ensaiaria de saltos. No início fiquei cansada, os pés e as pernas doíam. Eu dizia: “Ou morro ou aprendo a andar de salto”. Quando estreou a peça eu deslizava no palco. A essa altura da vida essas descobertas que parecem simples, são maravilhosas. De repente houve um movimento e quando vi estava lá com saltos.

Mas mudou seu estilo de vestir?
Não. Sempre gostei de roupas sensuais. Adoro sedas, não gosto de algodão. Gosto de decotes, de roupas coladas. Não tenho preocupação com o tamanho da saia e de não usar mais decotes. Tirando o lacinho no cabelo, o resto é permitido. O lacinho é que não fica bem.

Você é vaidosa?
Gosto de me cuidar. Não sou nenhuma perua maluca que sai cedo de batom e de strass. Mas gosto de roupa bonita. Agora estou na fase das sandálias, compro todas as que encontro. Os meus pés não são uma beleza mas gosto de mostrá-los. Adoro banho e perfumes. Prefiro estar com uma roupa discreta, de rosto lavado, cabelo bem tratado e um bom perfume. Perfume é uma mania, sempre gasto mais do que devia. Maquiagem não gosto, tenho preguiça. Isso me faz ficar em casa. Não gosto dos sacrifícios enormes em nome da beleza.

Está casada?
Não estou solteira e não estou casada e é só.

Mas se casaria de novo?
Claro. Gosto do casamento como forma de vida, exigência da paixão.

É possessiva?
Não, não gosto de ter uma pessoa ao meu lado porque estou no controle. Isso atinge a minha dignidade, me deixa mal. Quero uma pessoa ao meu lado porque está me amando e não porque não pode sair do meu lado porque eu seria capaz de ter um piti.

Namoraria homens bem mais jovens?
Sem dúvida. Até porque sou jovial, não me vejo namorando uma pessoa mais velha. Talvez da minha idade. Não gosto de pessoas que venham com ranços, com hábitos, com limitações. Não combina comigo. Isso era um jogo cultural contra a mulher, mas que está mudando. Namoraria sim, desde que não fosse um jovem vazio.

Considera-se transgressora?
Talvez para os padrões tradicionais eu tenha sido uma mulher transgressora em alguns momentos. Tenho um pé na transgressão, não gosto das coisas muito certinhas, principalmente no campo afetivo. Sempre acabo contrariando as convenções. Nunca achei que devesse me privar do que estava sentindo porque não estava dentro dos padrões. Isso só fazia com que eu me rebelasse e fosse até o fim. A transgressão é fascinante.

Você foi muito namoradeira?
Não. Eu me casei duas vezes e tive mais umas duas paixões. Namorei e namoro na minha cota certa. Meus amigos ficam inconformados com o fato de eu não estar namorando. Mas não me sinto sozinha. Moro com o minha mãe e meu filho. Estudo, faço aulas de inglês, aulas de dança. Não gosto de ficar parada, me sinto desperdiçando tempo e vida.

André Durão

“Tive muitas falhas como mãe. Era jovem e sempre trabalhei. Fiquei muito ausente. Mas eles me dizem que foram felizes assim”

Tem medo de envelhecer?
Muito. A questão da estética, que me aterrorizava, já está superada. Aquela coisa da ruga, do cabelo branco, de não enxergar direito. Tenho lentes de contato, mas não consigo usar. Vou para as festas de longo e de óculos e não estou nem aí. A velhice me apavora tanto quanto a morte pela limitação física que ela impõe.

Como superou os primeiros sinais do envelhecimento?
Estou envelhecendo bem. Logo depois dos 40 anos, foi um baque. Eu me desajustei, tive que fazer terapia, foi doído. Tive a síndrome do pânico. Tudo que me mobilizava era o fato de que eu não era mais jovem.

Como superou a síndrome do pânico?
Consegui manter todas as minhas atividades, consegui esconder e segurar bastante. Com o tratamento consegui vencer o pânico rapidamente. O pânico é uma outra face da depressão e quando se tem um bom terapeuta se supera a doença rápido.

Tem culpas como mãe?
Tive falhas. Fui mãe muito jovem e sempre trabalhei. Fiquei muito ausente mas eles me dizem que foram felizes assim. Tenho dificuldade de impor limites. Quando amo uma pessoa, ela pode tudo. Meus filhos sempre puderam tudo. Fui muito permissiva. Talvez tivesse sido necessário um pouco mais de firmeza, de não e sim na hora certa. Teve amor mas a educação ficou a desejar.

<<anterior

Comente esta matéria

 

ENQUETE
Você faria o teste para detectar o vírus da aids:
• Para viver tranquilamente
• Como prova de amor ao parceiro
• Não faria, pois tem medo
• Nunca pensou nisso
• Faz o teste periodicamente
:: VOTAR ::
 
FÓRUM I
O que você achou da decisão da top Gisele Bündchen de abandonar as passarelas?
 
FÓRUM II
Quais são as suas expectativas em relação ao herdeiro político de Covas, Geraldo Alckmin?
 

Teste os seus conhecimentos sobre as celebridades
 
TARÔ ONLINE

É fácil, rápido
e inspirado: experimente!
 

Horóscopo

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ÁGUA NA BOCA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2001 Editora Três