CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA
 


Sociedade

Travessuras de uma menina rica
A atriz Patrícia de Sabrit rejeita o rótulo de “patricinha”, vai à luta como atriz, vira estrela de novela da Record e tem uma coleção de ex-namorados famosos

Edwin Paladino

Edu Lopes
Patrícia: "Sou mão fechada"

A atriz Patrícia de Sabrit nasceu em berço esplêndido. Filha do empresário francês Thierry de Sabrit e da socialite Marina de Sabrit, cresceu rodeada de luxo na mansão da família em São Paulo. Assim como a mãe, figura badalada da noite paulistana, olha com prazer para flashes e holofotes. Preferiu, porém, rejeitar o rótulo de patricinha e tornou-se atriz.

Desde meados de novembro, é a estrela da novela Vidas Cruzadas, da Rede Record, na pele de Letícia uma garota rica abandonada pela família que mora na Suíça. “Não sou patricinha, jamais compraria uma pochete de R$ 4 mil da Louis Vuitton”, diz ela, enquanto saboreia um prato de cereais e suco de laranja servidos numa bandeja de prata pelo mordomo. “Sou mão fechada”, garante.

O cinema despertou a paixão de Patrícia pela interpretação. Em 1982, com sete anos, assistiu oito vezes ao filme E.T., de Steven Spielberg, e se apaixonou pela personagem de Drew Barrimore, a garota loirinha amiga do alienígena. “Disse à minha mãe que queria trabalhar como ela”, lembra.

Com 15 anos seguiu para San Angelo, cidade do Texas, Estados Unidos, onde morou por oito meses. Lá, dedicou-se às aulas de teatro na escola e em seis meses encenava sua primeira peça. Chegou à tevê em 1993, na novela Olho no Olho, da Globo. Cinco anos depois, participou de Pérola Negra, no SBT.

Nesta época, com 23 anos, sentia-se pressionada a arranjar um marido, embora não lhe cobrassem isso explicitamente. “A maioria das mulheres da minha família se casou com 21 anos, não dava para ficar de fora”, explica Patrícia. “Estava sozinha, e casar era uma prioridade na minha vida.”

Não trocou alianças com ninguém, mas começou um romance com o piloto de Fórmula Indy, Tony Kanaan, que mora em Miami. Com o fim de Pérola Negra, partiu para mais uma temporada americana e foi morar na mesma cidade do namorado. “Ela estava tão determinada que no corredor de acesso à pista dos aviões nem olhou para trás para se despedir”, conta Marina de Sabrit.

Patrícia se matriculou no curso de Rádio e TV da Universidade de Miami e fez ficha numa agência de atrizes. Meses depois descolou uma ponta no filme Um Domingo Qualquer, de Oliver Stone, como líder de um grupo de torcedoras de futebol americano. Este ano, participou do vídeo clipe da música She Bang do astro latino Rick Martin.

“Você acha que eu deixaria esta oportunidade passar? Ele é lindo, charmoso e gentil”, enumera. Durante as gravações, ela conta que o cantor acariciou-lhe os braços numa madrugada fria. “Ele chegou perto e me esquentou.”

O período nos Estados Unidos, encerrado por causa do convite da Record, rendeu a Patrícia alguns vícios de linguagem. Apesar da ascendência francesa, costuma inserir na conversa palavras em inglês. Conta que foi uma sweet sixteen (debutante), no Texas, que fez parte do casting (elenco) do clipe de Martin e que, em 1991, namorou Luciano Huck “porque ele tinha um goal!”. Calma leitor: o atual apresentador da Globo não era proprietário do popular carro da Volkswagen, mas tinha objetivos profissionais muito claros e uma personalidade determinada, o tal goal que fascinou Patrícia.

“Sempre fui namoradeira”, diz ela. Depois de Huck, Patrícia teve um rápido affair (calma leitor: não é mais uma herança da temporada americana da atriz, mas a palavra francesa para designar caso amoroso) com o corredor Rubinho Barrichello. Em seguida, Patrícia engatou um romance com o ator Felipe Folgosi e namorou durante um ano o piloto Kanaan. O relacionamento terminou em dezembro de 1999.

Atualmente, está sozinha. “Gosto muito de namorar, mas estou interessada na minha carreira”, avisa ela, que cortou os cabelos e os tingiu de cor cobre. Os elogios, por enquanto, estão restritos aos colegas de trabalho. “Ela realmente brilha e tem carisma de sobra”, diz Fernando Ricoleta, diretor de elenco da Record.

Comente esta matéria

 

Leia Também

O Michael
Douglas brasileiro

Um vencedor
no meio da briga

O borbulhante
salto de Salton

O horror dos fogos

Família unida
no Rock in Rio

O que dizem
os orixás

O ídolo dos boys volta aos palcos

Passo para frente

Travessuras de
uma menina rica

O poder das secretárias do poder

Sucesso instantâneo

Troféu limão 2000


Horóscopo
ENQUETE
Você aprova a atitude de Marília Gabriela, que deu um "chega pra lá" numa fã que atacou Gianecchini no réveillon?
 • Sim
 • Não
 
:: VOTAR ::
 
ENQUETE
Qual é a melhor atração do Rock in Rio?
 
NACIONAIS
INTERNACIONAIS
 
FÓRUM
O comportamento sexual de Fábio Jr. é normal?

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER

| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três