CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO
  SECULO
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA


Capa

Renée de Vielmond
Em busca do tempo perdido

Aos 47 anos, a atriz que foi um dos rostos mais lindos da tevê nos anos 70 revela que foi infeliz por mais de 30 anos, diz que, se pudesse, não seria atriz novamente e investe numa nova vida fazendo faculdade de História

Ana Cristina Aleixo

Reprodução/Ag. O Globo
Leandro Pimentel
Reneé em 1972, no início de carreira, e hoje: a atriz está sem contrato desde maio

A atriz Renée de Vielmond mirou a sala 402 da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Sob olhares curiosos, entrou e sentou-se numa carteira da primeira fila. Chegou uma hora antes para a aula das 8 horas. Alguns colegas foram cumprimentá-la. “A maioria deles lembrou-se de mim em novelas antigas, de quando eram pequenos”, diz.

Era o início de uma revolução na vida de um dos mais belos rostos da televisão brasileira. Ex-mulher do ator José Wilker e símbolo de beleza nas novelas da Globo nos anos 70, Renée estreava na faculdade de História da PUC. Não era uma simples volta às aulas. E não por acaso escolhera uma carreira tão atrelada ao passado.

Na hora da chamada, um susto. Flávia Eyler, professora de História Medieval, disse-lhe, na frente de todos: “Sei o que você procura aqui. É a normalidade”. A observação da mestra a atingiu. Durante a aula, Renée chorou baixinho. “Foi quando eu entendi o que estava fazendo naquela sala de aula”, diz ela, três anos depois.

Naquele primeiro dia de aula, a artista começou a revisão da sua história. Hoje, a universitária Renée de Vielmond, 47 anos, consegue voltar o olhar para o seu passado e afirmar: “Eu não seria atriz”. Numa época em que oito entre 10 jovens no País alimentam o desejo de ser artista, Renée, que viveu a glória do estrelato, demole o mito da profissão dos sonhos. Pelo menos para si mesma.

Estrela de 14 novelas, quatro peças e três filmes, essa história não lhe bastou. “Sempre senti um vazio que aumentou com o tempo. E eu sabia que a profissão de atriz não o preencheria”, diz. O que não quer dizer que está dando adeus à carreira. Pelo contrário, precisa dela inclusive para se sustentar e aguarda um chamado para voltar ao vídeo.

Afastada da Globo desde Explode Coração, exibida em 1996, Renée expõe angústias e decepções de quem dedicou todo fôlego a mais de 30 anos de carreira. “Não fui feliz por 33 anos. Percebi que não dei conta de ser mulher, atriz e mãe ao mesmo tempo e resolvi desmontar a farsa da Mulher Maravilha”, confessa. “Perdi muito tempo.”

Embora reconheça seu talento, ela duvida da vocação. “Sempre fui uma atriz amadora. Nunca planejei minha carreira”, afirma. A atriz fez sucesso em Escalada (Globo, 1974), na primeira versão de Anjo Mau (Globo, 1976) e como a fotógrafa Kely de Eu Prometo (Globo, 1983), par romântico do protagonista Francisco Cuoco. Em seu último papel, interpretou uma mulher mais velha que se apaixonou por um jovem vivido pelo ator Rodrigo Santoro. Na decoreba de textos, ela acha que não construiu um espírito empreendedor.

Se pudesse ter escolhido um trabalho na tevê hoje, Renée gostaria de ter atuado em Terra Nostra, de Benedito Ruy Barbosa ou em Aquarela do Brasil, de Lauro Cesar Muniz. “Tenho saudades dela e daquela época. Renée me estimulava a escrever”, diz Muniz, também autor de Escalada. “É uma das poucas atrizes que constróem a personagem exatamente como o escritor a imagina.”

Carol Feichas
Renée na sala de aula

A colega Beatriz Segall, com quem atuou em Barriga de Aluguel, exibida na Globo em 1991, faz coro. “É excelente profissional. Gostaria que voltasse”, diz. “Sentimos sua falta, é uma das pessoas mais bem educadas que já conheci.”

Para o dramaturgo Aderbal Freire Filho, que escreveu a peça Izabel, em cartaz com Maitê Proença, a insatisfação de Renée é compreensível. “A tevê massacra o artista. Foi o que aconteceu com Renée”, diz.

Jovem do fim dos anos 60, ela acredita que a escolha pela carreira artística foi ideológica. “Era comum abandonar instituições para conquistar a independência”, diz ela, filha de um casal que, junto, ostenta cinco diplomas – Direito, Letras, Engenharia, Sociologia e Economia. Antes do diretor Antunes filho descobri-la, Renée morou em sete capitais do Brasil por causa do pai, engenheiro de uma multinacional.

Hoje, o peso da fama talvez tenha desenfreado a busca por uma vida de gente anônima. “Eu me encontrei na sala de aula”, diz. Aplicada, apelou no início do curso para um gravador. Só assim acompanhava as aulas relaxada. Com dificuldades em se adequar ao computador, faz os trabalhos à mão, com sua inseparável caneta-tinteiro. “Ela anota tudo e surpreende com seus trabalhos”, conta a professora de Cultura Brasileira, Graça Salgado.

Renée deu partida a sua aventura universitária quando bateu os olhos num anúncio de vestibular. Recortou do jornal e guardou na bolsa. Em menos de dois meses, prestava vestibular. Acostumada a decorar textos de Sófocles a Janete Clair, ela se viu diante de problemas de química e física, que respondeu recorrendo a experiências domésticas. “Lembro de uma questão sobre uma caixa d’água que resolvi de acordo com explicações de encanadores”, diverte-se.

Passou em 8º lugar na lista de aprovados para o curso. O desempenho ganhou nota em um jornal carioca em 14 de julho de 1997, data de seu aniversário. Nas páginas de seu diário, também mereceu destaque. Renée registra fatos desde os 13 anos, e acumula 30 volumes.

próxima>>

 

Leia Também

Renée de Vielmond:
Em busca do
tempo perdido

Da cadeia
para a fama

Orgulho
da mamãe

Gallo
pagou o pato

O gago mais
famoso do Rio

Internética,
sem véu

Um salto
para a fama

No banheiro com
Monique Evans

O camaleão da
música popular

Pepê e Neném:
Uma história
de cinema

Horóscopo

ENQUETE
Qual das musas você prefere?
Feiticeira
Tiazinha
Internética
FÓRUM
O que um artista deve fazer para conduzir a carreira e não se distanciar da "normalidade"?

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER

| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três