CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO
  SECULO
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA


Profissão

O gago mais famoso do Rio
As incríveis histórias do promoter da churrascaria Porcão, que foi garoto pobre no Nordeste e agora trabalha em novelas, reforma seu apartamento em Copacabana e viaja ao Exterior por ser amigo de nove em cada dez celebridades

Rosângela Honor

Fotos: Reprodução
"Ele é honesto e fiel como amigo", diz o craque.

Aos 10 anos, o menino Francisco David dos Santos se divertia pelos corredores do Colégio Estadual Professor Paul Córdola, em Campina Grande (PB), imitando um colega de turma conhecido como gaguinho. Três anos depois, se tornou refém da brincadeira.

Inconformada com a gagueira "adquirida" do filho, Maria Cícero de Melo, uma evangélica fervorosa, tentou curá-lo, levando-o aos cultos de sua igreja. "Isso é um ganso que o diabo pôs atrás de você", dizia.

O maldito embaraço na fala acabou rendendo notoriedade a Francisco David. Hoje conhecido como David Brazil, ele conseguiu há seis anos o emprego de relações públicas da cadeia de churrascarias Porcão graças à sua gagueira. Lá, se tornou amigo de nove em cada dez celebridades, entre elas Romário, Ronaldinho, Carolina Dieckman, Cláudia Raia, Caetano Veloso e Thiago Lacerda. A proximidade com os famosos o levou aos estúdios da Globo.

Depois de atuar na minissérie O Fim do Mundo e na novela Vira-Lata, ele agora pode ser visto em Aquarela do Brasil como um garçom. "O que me prende às pessoas é a gagueira", admite.

Ronaldinho gravou em italiano a mensagem da secretária eletrônica do celular de David

Aos 31 anos, David se diverte ao lembrar do colega que, sem querer, o alçou à fama. "Devo tudo a ele", diz. "Se o encontrasse, dava-lhe um beijo na boca", exagera. Com suas economias, David, que ganha R$ 4.500 no Porcão, conseguiu comprar um apartamento de dois quartos em Ipanema, na Zona Sul do Rio. Para conseguir dar a entrada no imóvel, de R$ 150 mil, obteve um empréstimo do patrão. Graças aos amigos, está equipando e decorando o apartamento.

Durante um jantar com Ronaldinho, contou que as portas do imóvel estavam empenadas. "Perguntei se não queria me dar as portas e ele respondeu: 'Compra'." O presente do craque custou R$ 1.500. Romário deu o fogão e o exaustor. "Você quer aquele de seis bocas?", quis saber o baixinho. "Gosto muito do jeito alegre do David. Ele é honesto e fiel como amigo", elogia Romário.

Caetano Veloso e Paula Lavigne o convidaram a acompanhá-los numa viagem à Itália

Emílio Santiago é outro que engrossa a extensa lista dos admiradores do promoter. "Ele tem um jeito único, é divertido e ótimo amigo", diz o cantor, que o presenteou com uma pia de cristal italiano. Do jogador Renato Gaúcho, ganhou uma geladeira. "Comprei um frigobar e, com o troco, porta-toalhas para o banheiro", entrega.

Até chegar ao Rio, para onde se mudou em 1988, David passou por maus pedaços junto com a mãe e os seis irmãos - Samuel, Luís, João, Ana, Elizabeth e Ana Lúcia. Quando os pais se separaram, a família se transferiu de Recife para Campina Grande. Lá, a mãe de David arrumou emprego de servente na Universidade Federal da Paraíba. "Comi muita banana verde cozida com farofa", conta.


Com Magic Johnson e Maradona: fama internacional

Na adolescência, ele já admirava alguns dos famosos que se tornariam seus amigos. Aos 18 anos, devorava revistas com fotos de Roberta Close. A mãe rasgava tudo dizendo que era coisa do diabo. "Não sabia nem o que era travesti", conta. "A Roberta morreu de rir quando soube disso."

Chegou a perder um emprego de empacotador por causa de Monique Evans. Não voltou ao batente, após a hora do almoço, para ficar de plantão na porta do hotel onde a modelo estava hospedada.

Logo que chegou ao Rio, o promoter, que se mudou para a casa de amigos que conhecera em Campina Grande, procurou uma fonoaudióloga para curar a gagueira. Desistiu porque o tratamento era muito caro. O problema na fala acabou lhe custando dois empregos. Num deles, no restaurante Espaguete Music, foi contratado como caixa e para atender o telefone. Um dia se viu em apuros. "Eu dizia: espa, espa e a pessoa desligava", recorda. Na terceira tentativa, treinou para dizer simplesmente alô. Era o patrão. "Como alô?" indagou o dono, irado. Foi demitido na hora.

André Durão
Em seu banheiro, que Emílio Santiago e Reanato Gaúcho ajudaram a reformar (à esq.), Renato deu fogão e Renato Gaúcho pagou a geladeira (à dir.)

próxima>>

 

Leia Também

Renée de Vielmond:
Em busca do
tempo perdido

Da cadeia
para a fama

Orgulho
da mamãe

Gallo
pagou o pato

O gago mais
famoso do Rio

Internética,
sem véu

Um salto
para a fama

No banheiro com
Monique Evans

O camaleão da
música popular

Pepê e Neném:
Uma história
de cinema

Horóscopo

ENQUETE
Qual das musas você prefere?
Feiticeira
Tiazinha
Internética
FÓRUM
O que um artista deve fazer para conduzir a carreira e não se distanciar da "normalidade"?

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER

| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três