CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 MULTIMÍDIA
 SEÇÕES
 REPORTAGENS
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO
  SECULO
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Perfil

Parceiro de Renato Russo

Gustavo Maia

Leandro Pimentel
Divulgação
Cogumelo Plutão

A banda Cogumelo Plutão, de Brasília, não traz novidades no que diz respeito a misturas de estilos ou tendências - atitude corrente do atual cenário musical brasileiro. Pelo contrário. O hit “Esperando na Janela” – que há três semanas emplacou um quarto lugar na lista das músicas de gênero pop rock mais tocadas nas rádios cariocas - cativa os ouvintes pela simplicidade. E talvez, principalmente, por uma curiosa característica. Quem escuta o Cogumelo Plutão pela primeira vez, pode jurar que está escutando um novo sucesso da Legião Urbana.

A semelhança não é mera coincidência. O vocalista e letrista Blanch, 26 anos, foi parceiro de Renato Russo. Na década de 90, dividiram um apartamento no Rio de Janeiro e a composição de algumas músicas. “Ele foi uma referência profissional”, afirma Blanch. A intimidade com o líder da Legião Urbana e os primeiros sucessos da carreira de Blanch, voltados para o público GLS, levantaram rumores de que ele teria sido a inspiração de algumas letras de amor de Renato. Blanch nega. “Gosto de mulher”, garante. O fato é que a semelhança musical revela o grau de amizade entre os dois. “Ele foi um amigo muito próximo”, diz Blanch. Hoje, parte do lucro do Cogumelo Plutão é destinada a entidades de assistência aos portadores do vírus HIV, causador da AIDS, doença que matou Renato Russo em 1996.

A história de Blanch tem os requintes das conturbadas sagas dos astros do rock. Nascido em Natal (RN), o cantor foi rejeitado pelo pai e adotado pelo amante da mãe, um maestro norueguês. Com o pai adotivo viveu em Brasília até os 12 anos, quando foi obrigado pela Justiça a voltar para a casa dos pais. A separação de seu pai “de criação” foi trágica. O maestro morreria dois meses depois. Com 17 anos, Blanch flagrou seu pai biológico traindo a mãe dentro de casa. Foi o suficiente para abandonar de vez a casa dos pais, voltando para Brasília, onde passaria a transitar pelo cenário do punk rock e viria a conhecer Renato Russo.

 

 Cinema
 Livros
 Música
 Teatro
A Ópera do Malandro
 Televisão

Horóscopo

ENQUETE
Adriane Galisteu fez bem em trocar a Rede TV! pela Record?
Sim
Não
FÓRUM
O favoritismo de Marta Suplicy em
São Paulo
muda a imagem
do PT?

EDIÇÕES
ANTERIORES

ESPECIAIS
MULTIMÍDIA
BATE PAPO
ASSINATURAS
EXPEDIENTE
PUBLICIDADE
FALE
CONOSCO
ASSINE A
NEWSLETTER


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três