CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA


Sucesso

Um trio parada dura
Os irmãos do KLB são fenômeno de vendas e prometem estremecer o terceiro Rock in Rio

Edwin Paladino

Piti Reali
Kiko, Leandro e Bruno:
“As garotas atacam
mesmo”, diz Leandro

Uma semana antes de assinar contrato com a gravadora Sony Music, em março de 1999, os irmãos Kiko, 21 anos, Leandro, 19, e Bruno, 16, não haviam definido um nome para a banda. Só na hora da assinatura a lâmpada acendeu. “KLB”, disse o pai dos garotos, o empresário musical Franco Scornavacca, citando as iniciais do trio. Empresário de artistas como Zezé di Camargo e Luciano e Lulu Santos, ele foi certeiro: “A sigla vai pegar”.

Hoje, o KLB é um fenômeno entre as adolescentes. O primeiro CD, lançado em julho, ultrapassou as 150 mil cópias. E os fãs-clube já somam 60, com 1.400 associados, na maioria mulheres. Para conter o assédio, o pai contratou um segurança para cada um, com direito a jipe Cherokee. “As garotas atacam mesmo”, diz Leandro, o baterista.

Ele começou a batucar aos seis anos. “Gostava de bater em lata de sorvete”, lembra. Animados com a barulheira, Kiko e Bruno improvisavam com a guitarra e o contra-baixo de brinquedo. “Era uma festa”, conta a mãe Regina Scornavacca. Das brincadeiras musicais para melodias elaboradas foi um passo. Os três trataram de estudar os acordes. Passaram a freqüentar lojas de CDs. Apaixonaram-se pelos Bee Gees. “Imitávamos o grupo”, conta Kiko. Seu cachorro dálmata chama-se Gibb, em homenagem ao líder da banda.

O sucesso rendeu um convite de peso. O trio vai participar do Rock in Rio III, em janeiro de 2001. “Assustei-me com a notícia”, confessa Kiko. Terminavam uma entrevista em uma rádio carioca, quando o celular de Kiko tocou: “Estamos no Rock in Rio!”, disse o pai, aos berros. O grupo tocará com estrelas internacionais como Britney Spears. Os ensaios começaram. No estúdio em São Paulo, Bruno tira seu contra-baixo da capa de couro, Kiko afina a guitarra e Leandro ajusta pratos de sua bateria. Tudo para agradar o exército de fãs que promete invadir o festival no verão.

 

Leia Também

A independência
da estrela

Estrela das piscinas

Fivelinhas da fama

Célebres cabos eleitorais

A terapia em alta velocidade

A dentista
sobe ao palco

Clientela refinada

Um trio parada dura

O ataque continua

Chapeuzinho come
o lobo mau

Alexandre Pires
livre da culpa

Recesso maternal

Duelo de titãs

 



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três