CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNACIONAIS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA


Polêmica

Mais uma vitória de Alexandre Pires
O cantor, que atropelou motoqueiro em Uberlândia, não teve a intenção de matar, diz Justiça

Rodrigo Cardoso

Max Pinto
“Um dia, paga”, diz Rosemeire,
mulher do motoqueiro morto

Desde que o marido José Alves Sobrinho, 36 anos, foi atropelado e morto num acidente automobilístico pelo cantor Alexandre Pires, em fevereiro, a dona-de-casa Rosemeire Gomes de Brito, 32 anos, foi obrigada a criar alguns hábitos.

De dia, ela só encontra ânimo para encarar as tarefas do lar depois de tomar um comprimido do antidepressivo Tritanol. À noite, para que o sono não seja interrompido por algum pesadelo, Rosemeire ingere 40 gotas do tarja preta – medicamento vendido apenas sob prescrição médica – Dogmatil.

Nem mesmo a possibilidade de o pagodeiro, que acertou com uma Cherokee a traseira da moto guiada pelo seu marido, ser apontado como culpado pelo acidente amenizava a amargura de Rosemeire. “Sempre soube que não iria acontecer nada ao Alexandre”, diz ela. A segunda-feira 4 mostrou que ela estava certa.

Nesse dia, o juiz José Luiz Faleiros, da 1ª Vara Criminal de Uberlândia, concluiu que o cantor não teve intenção de cometer o crime, como tentou provar o promotor público Sylvio Fausto Neto. “Fui pego de surpresa”, diz o promotor. “Vamos recorrer, porque, ao conduzir seu possante automóvel embriagado e em alta velocidade, Alexandre assumiu o risco de matar.”

Independentemente do recurso impetrado pelo Ministério Público, um processo por crime culposo (sem intenção de matar) já corre na Justiça da Cidade. Nessa fase, será analisada a maneira com que o pagodeiro guiava momentos antes do acidente. Faleiros dará a sentença em 60 dias. Se for considerado culpado, Alexandre poderá ser condenado a até 4 anos de detenção.

Rosemeire soube da notícia pela tevê. Revoltou-se, mas desistiu de lutar. “Foi manipulado, mas o que posso fazer se a cidade o protege?” Um mês atrás, Alexandre acertou uma indenização de R$ 250 mil a ela (R$ 30 mil de entrada e 14 parcelas de R$ 15.714,30). “Uma vizinha me deu parabéns, como se eu tivesse ganho na Megasena”, diz ela. “Alexandre acha que comprou a paz. Mas não quitou a dívida com Deus. Seus pecados continuam e, um dia, pagará por eles.” O cantor não se pronunciou.

 

Leia Também

A independência
da estrela

Estrela das piscinas

Fivelinhas da fama

Célebres cabos eleitorais

A terapia em alta velocidade

A dentista
sobe ao palco

Clientela refinada

Um trio parada dura

O ataque continua

Chapeuzinho come
o lobo mau

Alexandre Pires
livre da culpa

Recesso maternal

Duelo de titãs

 



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três