CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Carreira

O salto de Carolina Abranches
Sensual estrelinha de Malhação, a atriz cresceu livre em Arraial d’Ajuda, reduto cult no sul da Bahia, escreveu romance que pretende lançar este ano e garante que tem vergonha demais para posar nua

Viviane Rosalem

Foto: Leandro Pimentel
“Minha mãe sempre foi uma grande amiga, foi a primeira a saber quando dormi com meu namorado”

Na infância, Carolina Abranches, 23 anos, adorava se deitar no chão para escrever versinhos em seu caderno de poesias. Também ficava fascinada quando via a avó materna, Suzana Camilo, declamar poemas na sala de visitas. Chegou a escrever um romance nas aulas de redação do Colégio Anglo Americano, no Rio, onde estudava. Ela gostava tanto de escrever, que pensava em ser jornalista. Mais tarde prestou vestibular para a faculdade de Comunicação Social na Pontifícia Universidade Católica. Na época, já era modelo e integrava o elenco de Malhação, seriado para o qual fora convidada pelo diretor Flávio Colatrello, depois de assisti-la em comerciais de televisão. Durante um ano, conciliou a faculdade com as gravações na TV Globo. Mas seu futuro não estava nas letras. Quando teve certeza de que queria mesmo ser atriz, trancou matrícula. “Percebi que tinha mais inclinação para interpretar”, diz. Afastada das telas, no início de agosto ela volta a Malhação com a personagem Marilu.

Carolina é atriz há cinco anos e está em turnê com a peça É, de Millôr Fernandes, que chega a São Paulo em agosto no Teatro Bibi Ferreira. Antes de estrear no palco, ficou conhecida como a Lara de Meu Bem Querer. Para ganhar seu primeiro papel numa novela, a Lara, ela teve que derrotar outras 30 concorrentes num teste de seleção, em 1998. No ano seguinte voltou para Malhação e de lá só saiu em abril deste ano, quando sua personagem seguiu outro rumo na trama.

Sem trabalho à vista, Carolina decidiu apostar no teatro. Foi surpreendida pelo diretor Camilo Átila, que a convidou para fazer uma leitura da peça É, de Millôr Fernandes. “Adorei o jeito dela”, conta Camilo. “Ele me ligou na véspera dos meus 23 anos dizendo que eu acabava de ganhar o meu presente de aniversário”, lembra a atriz. Ela estreou nos palcos em maio, e após turnê por Estados do Nordeste e Sul, se prepara para entrar em cartaz em São Paulo. A temporada coincidirá com seu retorno ao vídeo. “Carol é cria da casa e tem talento”, confirma o diretor de núcleo Marcos Paulo, responsável por Malhação.

"Não namorei Rodrigo Santoro. Ele é uma pessoa interessante, superbacana, mas é apenas meu amigo"

Quem conheceu a atriz na infância não poderia imaginar que aquela menina que adorava subir nas árvores do quintal se transformaria no mulherão que, este mês, estampa as páginas de uma revista voltada para o público jovem, num ousado ensaio fotográfico no qual encarna Lolita, a sensual adolescente personagem do romance de Vladimir Nabokov. “Lido bem com o corpo”, diz a atriz.

VIRGINDADE Aos 16 anos, Carolina perdeu a virgindade com o primeiro namorado. “Hoje ele é um grande amigo meu.” A mãe, a produtora de cinema Eliane Abranches, foi a primeira a saber e a levá-la ao ginecologista. “Sou filha única e minha mãe é minha melhor amiga”, afirma. Quando a mãe se separou do pai, o médico Vanízio Melo, as duas se mudaram para Porto Seguro, onde Eliane abriu um restaurante, em Arraial d’Ajuda. “Eu tinha muita liberdade, brincava nas praias e ruas o dia inteiro, lá era tranqüilo e todo mundo se conhecia.” Hoje, mãe e filha dividem um apartamento em Botafogo. “Só sairia de casa para ir morar com alguém”, avisa a atriz.

Além de exigir que as fotos da revista fossem aprovadas por ela antes de serem publicadas, Carolina fez questão de deixar claro que não mostraria os seios nem o bumbum. “Não vou posar nua, tenho pudor, vergonha”, afirma. Solteira, ela desmente os rumores de que estaria namorando o ator Rodrigo Santoro. “Ele é uma pessoa interessante, superbacana, mas é apenas meu amigo”, afirma. Numa recaída literária, Carolina resolveu lançar o livro que começou a escrever no colégio. Ela fez revisões, mudou aqui e ali a história de amor de um casal que se conheceu em Porto Seguro e deu-lhe o título provisório de Esperança.

 

Leia Também

Minha mãe é uma estrela

Quando o asfalto vira água

Quem é o calo dos políticos

O salto de Carolina Abranches

A sétima arte de Christine Fernandes

Como na ficção

Divina confusão

Tricô no palco

Cantora, quase por acaso

O herdeiro que pode unir o clã do rei

Ela pilota o trânsito

Rebelde com causa

O inferno astral de Faustão

Furacão adolescente



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três