CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Ping-Pong

Sérgio Corrêa da Costa

Lilian Amarante

Corrêa: “Somos poliglotas sem saber”

Algumas palavras, como as pessoas, são cosmopolitas. E o mais simples dos mortais, mesmo sem saber, é um poliglota. A tese é do ex-diplomata e historiador brasileiro Sérgio Corrêa da Costa, membro da Academia Brasileira de Letras e autor de Palavras sem Fronteiras (Record, 862 págs., R$ 60). O livro ganhou prêmio máximo da Academia Francesa em 1999 e relaciona 3 mil palavras de 46 línguas diferentes, todas usadas em vários países. No Brasil, Palavras sem Fronteiras fez surgir, na Universidade de Letras do Rio de Janeiro, uma nova disciplina que enfoca o empréstimo de termos de uma língua para outra.

O livro é um dicionário?
Tem o formato de dicionário, mas não é. É um bom livro de consulta para quem escreve.

Que palavras ele contém?
Palavras que circulam pelo mundo, cosmopolitas. Cada uma é um pedaço de história, de tradição ou cultura.

Como surgiu a idéia?
Vivi muitos anos nos Estados Unidos e Inglaterra e me chamava muito a atenção o número de palavras francesas. Comecei, então, uma coleção. Na França vivi o fenômeno inverso. Quando me dei conta, tinha 3 mil palavras
de 46 línguas.

O sr. relaciona frases de jornais para exemplificar o uso dessas palavras. Por quê?
É a única prova de que as palavras estão circulando, sendo usadas. Não se trata de uma fantasia do autor.

Alguma o surpreendeu mais?
“Bistrô”, que sempre pensei ser um símbolo da vida parisiense. Descobri que vem do russo. “Robô” todo o mundo conhece, mas poucos sabem que é de origem tcheca e “iogurte”, de origem búlgara.
Somos poliglotas sem saber.

Qual a língua que mais contribui para isso?
Todos julgavam que seria o inglês, mas é o francês.

Tem uma expressão preferida?
“Rendez-vous”. Perguntei a um astronauta americano porque eles e os cosmonautas russos empregavam essa palavra para marcar o encontro das naves. Ele me disse que não havia no inglês nem no russo alguma palavra que explicasse encontro com tanta precisão.

É um apaixonado pelas palavras?
Sempre fui.

 

 

 Cinema
Bilheteria
Livros
Sérgio Corrêa da Costa
Música
Televisão

Fique de olho

No Ibope
Teatro
Exposição


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três