CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Rei não paga indenização
Roberto Carlos não quer desembolsar R$ 5 milhões para Sebastião Braga, de quem teria plagiado canção

Viviane Rosalem

Leandro Pimentel
“Ele colocou a mão no peito, disse que era cristão e que não plagiou minha música”, diz Sebastião

Condenado por plágio no fim do ano passado em ação movida pelo advogado e compositor Sebastião Braga, Roberto Carlos não pagou, até o momento, a indenização estipulada em R$ 5 milhões. O Superior Tribunal de Justiça decidiu, depois de 12 anos de tramitação do processo, que a melodia da canção “Loucuras de Amor”, composta por Sebastião em 1982, havia sido plagiada pelo rei em “O Careta”, uma faixa do seu disco de 1987 lançado pela gravadora Sony Music.

Sebastião tentou entrar em um acordo com Roberto há cinco meses, em um encontro realizado num dos apartamentos do cantor, em Ipanema. As três horas de conversa foram em vão. “Ele colocava a mão no peito, dizia que era cristão e não havia plagiado minha música”, conta Sebastião. Roberto, segundo o advogado e compositor, chegou a sugerir uma indenização num valor bem menor, de R$ 300 mil. “Esta proposta foi absurda. Só a multa do processo foi calculada em R$ 380 mil”, diz ele.

Assim que o oficial de Justiça notificá-lo, Roberto tem prazo de cinco dias para publicar edital nos jornais cariocas reconhecendo o plágio. A pena para o não cumprimento desta determinação é de prisão. Mas a co-autoria da música já foi reconhecida pelo rei, que passou a dividir com Sebastião os direitos autorais.

Dois anos depois de iniciar o processo por plágio, Sebastião entrou com uma outra ação, desta vez exigindo indenização da gravadora. No último dia 10, o Superior Tribunal de Justiça isentou a Sony Music de pagar qualquer indenização a Sebastião. “A Justiça decidiu que a Sony não teve responsabilidade, que agiu de boa fé”, diz Raul Gravatá, advogado da gravadora. Sebastião vai recorrer.

Com o dinheiro que pretende receber, ele diz que vai abrir uma escola para carentes, criar um selo, lançar um livro sobre o episódio e ainda montar uma produtora de vídeo e som em Niterói, onde mora com a mãe, a professora aposentada Cecília Braga. Através de sua assessora de imprensa, Ivone Kassú, Roberto disse que não fala sobre o assunto.

Colaborou Paula Quental

Leia Também

A Marisa Monte que o público não vê

O olhar do bad boy

A guerra dos Mesquita

No tom de Chico César

O nosso doutor gene

Rei não paga indenização

Roberto Carlos homenageia Maria Rita

O sabor do sucesso

O charme da ex-lolita

O peso de ser ex-galã

Um novo maníaco?

Fernanda, a deusa expiatória

Sem papas na língua

David Uip, o médico celebridade

Corpos em evidência

Reduto para a gargalhada



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três