CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

por Marcelo Zanini

Walter Matthau
Ator americano, que costumava dizer que tinha um rosto cômico, morreu aos 79 anos

Reuters
Walter Matthau: divertido
dentro e fora das telas

Walter Matthau foi levado na madrugada de sábado 1o ao St. John’s Health Center em Santa Monica, nos Estados Unidos. Morreu pouco depois, vítima de um enfarte, aos 79 anos. Em 1966, Matthau sofrera um ataque cardíaco e crises de pneumonia. Um dos reis da comédia, o ator americano atuou em mais de 45 filmes e costumava dizer que tinha um rosto cômico. Começou a carreira depois de participar da Segunda Guerra Mundial, mas desde a infância mostrava dotes artísticos.
Aos sete anos, lia peças de Shakespeare. Brilhou como o velhinho de Dois Velhos Rabugentos, em 1993, contracenando com o parceiro e amigo Jack Lemmon. A dupla tinha atuado em O Estranho Casal, em 1968, filme que projetou Matthau. Dois anos antes, o ator já havia ganhado seu primeiro Oscar como coadjuvante, por Uma Loura por um Milhão. O último trabalho foi em Linhas Cruzadas, ao lado de Meg Ryan. Filho de imigrantes judeus-russos, nasceu em Nova York e chamava-se Walter Matuchanskayasky. Deixa três filhos.

Vittorio Gassman,
lendário ator genovês, morreu na quinta-feira 29, aos 77 anos.

Contemporâneo de Marcello Mastroianni, foi vítima de uma crise cardíaca. De 1946 a 1999, Gassman participou de 124 filmes. Entre os trabalhos mais conhecidos estão os filmes dirigidos por Mario Monicelli. Desta parceria, destaca-se o clássico O Incrível Exército de Brancaleone (1965). Outro grande papel foi o cego que viveu em Perfume de Mulher (1974), personagem mais tarde interpretado por Al Pacino em refilmagem de Hollywood. Conhecido pelas comédias no cinema, Gassman foi ainda um grande ator dramático nos palcos. Também escreveu peças de teatro e a autobiografia Um Grande Futuro pelas Costas. Deixa quatro filhos.

Fernando Leandro,
presidente da escola de samba carioca Caprichosos de Pilares, morreu aos 73 anos, de enfisema, no domingo 2.

Ele entrou na Caprichosos em 1981 e por 12 anos foi presidente da escola. Com o samba-enredo A Visita da Nobreza do Riso a Chico Rei num Palco Iluminado, em 1984, Leandro foi obrigado a prestar depoimento ao SNI. Foi deputado pelo PMDB no governo Moreira Franco. Chegou a ser ameaçado de perder o mandato por causa de seus enredos políticos. Seu único filho Albertinho, vice-presidente da escola, assume o lugar do pai. Mesmo doente, Leandro freqüentava os ensaios e apoiava os preparativos do Carnaval de 2001.

Paulo Gil Soares,
assistente do cineasta Glauber Rocha nos anos 50, morreu de causa desconhecida na quarta-feira 28, aos 65 anos. Nos anos 50, o jornalista baiano foi parceiro do cineasta Glauber Rocha.

Gil Soares foi assistente de direção, co-roteirista, cenógrafo e figurinista do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, em 1963. Ficou conhecido por criar e dirigir o programa Globo Repórter nos anos 70. Há um mês, se aposentou como diretor da Divisão de Projetos Comunitários Especiais da Rede Globo. Deixa uma filha.

Oswaldo Evangelista Faria,
radialista esportivo, morreu aos 69 anos na tarde de sexta-feira 30, após cirurgia para a retirada de pedra na vesícula.

Em 30 anos de profissão, sempre trabalhou em rádio, onde foi locutor, apresentador, repórter de campo e narrador esportivo. Cobriu 10 Copas do Mundo. Conhecido pelas polêmicas de seus comentários nas transmissões, o radialista mineiro chegou a ser ameaçado de morte várias vezes por torcedores. Em viagem de férias a Paris, Faria foi internado às pressas na quarta-feira 28. O radialista teve problemas pós-operatórios e faleceu naquele país. Deixa três filhos.

 



| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três