CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK
 BUSCA

Infantil

Nas Ruas do Brás
Drauzio Varella lembra a infância em segundo livro

Lilian Amarante

Leia trecho do livro

Depois de vender 98 mil exemplares de seu livro de estréia – Estação Carandiru – e conseguir com ele o prêmio Jabuti, o infectologista Drauzio Varella resolveu mudar de assunto. Deixou de lado a malandragem do maior presídio do País, a matéria prima de seu Estação..., e se debruçou sobre o próprio passado. Fez surgir assim o delicado Nas Ruas do Brás (Companhia das Letrinhas, 79 págs., R$ 19,50).

O livro de memórias, direcionado ao público infantil, conta as aventuras e desventuras de um neto de espanhóis e portugueses, o próprio Drauzio, que nasceu e cresceu no Brás, um bairro “cinzento, de ruas de paralelepípedo”, com muitas fábricas e chaminés, onde “a paisagem era dominada pelos italianos, mais numerosos e barulhentos do que os portugueses e espanhóis”.

A história começa, na verdade, com a vinda do avô paterno, da Espanha para o Brasil, no começo do século. Depois disso, Drauzio faz uma passagem rápida pela vida dos pais até chegar na infância difícil de um moleque travesso, sensível e observador.

Em páginas muito bem ilustradas, Drauzio lembra das brincadeiras mais divertidas ou perigosas – como a vez em que quase caiu da carroceria de um caminhão em movimento numa brincadeira que deu errado –, ou do dia em que ouviu a final da Copa de 50 pelo rádio e viu “pela primeira vez um homem chorar sem ninguém ter morrido”. Sem pressa, ele fala das brigas entre as italianas, da azeitona deliciosa que furtava de vez em quando na venda para poder comer devagarzinho e de momentos tristes como a morte da mãe, quando ele tinha apenas 4 anos.

Em todas as passagens – que ilustram uma história ainda maior, que é a dos imigrantes e da vida em São Paulo nos anos 40 e 50 – o que surge com mais força é a simplicidade e a delicadeza da escrita e a forma generosa com que o autor olha para o que está ao seu redor. Um talento, aliás, que Drauzio Varella já havia demonstrado em seu relato sobre o Carandiru.

Bom, mais uma vez

 

 Cinema
Bilheteria
Livros
Katia Zero
Ofensas Pessoais
Música
Televisão
Fique de olho
No Ibope


| ISTOÉ ONLINE | ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA |ÁGUA NA BOCA |EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE |
© Copyright 1996/2000 Editora Três