CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK 
 BUSCA

 

Ciência

O dono da vacina em pó
O veterinário Rosalvo Guidolin comandou equipe que desenvolveu uma nova forma de uso do soro antiofídico

Fábio Bittencourt

Silvana Garzaro
Guidolin, no laboratório: o soro em pó não precisa de refrigeração, pode ser transportado em mochilas e tem prazo de validade maior que o soro líquido, acondicionado em ampolas

O médico veterinário Rosalvo Guidolin, 76 anos, passou os últimos dois anos debruçado sobre uma encomenda do Exército Brasileiro. Sua missão consistia em encontrar uma forma de manipular o soro antiofídico até a forma em pó, utilizando-se de técnicas de liofilização (transformação do produto em pó pela desidratação). A euforia nos corredores do Instituto Butantan é grande. Em 2001, a previsão é de que 30% das doses do soro, desenvolvido em ampolas pelo médico Vital Brasil no início do século, passem a ser comercializadas nessa forma. “É uma vantagem que pode ser estendida a outros tipos de soros”, explica.

O soro em estado líquido deve ser mantido em temperaturas entre 4ºC e 8ºC, enquanto o produto em pó pode ser transportado em mochilas e ainda possui prazo de validade maior. Para aplicar a vacina, basta diluí-la em água. “Há 20 anos já se falava em liofilização de soros no Brasil”, lembra Guidolin. “Mas os projetos não saíam do papel.” A primeira fase dos trabalhos do médico veterinário foi a imunização de cavalos com o veneno dos três gêneros de cobras cobertos pela vacina liofilizada. O processo durou um ano e meio e só depois as pesquisas foram transferidas para o laboratório, onde chegou-se à fórmula ideal.

Há 52 anos, Guidolin trabalha na área. Em 1982, aposentou-se na iniciativa privada, que na época respondia por até 80% da produção de soro antiofídico do país. Com experiência no assunto, foi contratado pelo Instituto Butantan para iniciar a produção dos medicamentos no local. Hoje, Guidolin, casado, pai de dois filhos e avô de três netos, aposta na técnica para atender a um número ainda maior de medicamentos. “A tendência é que o soro em ampolas deixe de ser produzido nos próximos anos”, diz.

Leia Também

A reconstrução do mito

O príncipe quer ser plebeu

Crime no refúgio dos tucanos

Luxo e improviso

A nova empreitada de Scheila Carvalho

Cansado de ser o certinho

O forró mostra a nova cara

A guardiã das araras-azuis

De engraxate a dono de castelo

Um suplente enrolado

O amigo do rei

O pulo da maneca

“Quero meu troféu”

O dono da vacina em pó

O goleiro vai para o ataque

Biquíni cavadão

 

© Copyright 1996/2000 Editora Três