CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK 
 BUSCA
  EDIÇÕES
ANTERIORES
 ESPECIAIS
 MULTIMÍDIA
 BATE PAPO
 ASSINATURAS
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE
 FALE CONOSCO
 ASSINE A NEWSLETTER
 Cinema
Livros
Por que os homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor
Música
Teatro
Quem Tem Medo de Virginia Woolf?
Visitando o Senhor Green
Televisão

TELEVISÃO

Tagarelas
Problemas técnicos e falta de graça esfriam estréia da Bandeirantes

Maria Lins

Divulgação
Carlos Mariano, do Tagarelas: piadas constrangedoras e erros de português sem correção

Outra atração com crianças, importada da Argentina, estréia no Brasil. Depois de Chiquititas, no SBT, a Bandeirantes investe em Tagarelas (sábado, 22hs). Não se trata de uma novela produzida em Buenos Aires, como a primeira, mas de um programa feito aqui, que exalta gracinhas infantis reais. Tagarelas é comandado pelo ator Carlos Mariano, ex-Glub Glub da Rede Cultura, que pretende “investigar com muito humor um dos maiores mistérios de todos os tempos: as crianças”. Diante de uma platéia, simulando apresentação ao vivo, ele chama quadros gravados com as pequenas estrelas.

Mariano não convence como apresentador. Parece desconfortável no papel. Fala piadas do tipo “já posso me considerar uma pessoa do século passado” ou “sou do tempo do vinil” e a platéia morre de dar risadas. A claque chega a ser constrangedora. Muitos integrantes, em vez de rir olhando para o palco, ficam de lado, mais preocupados em saber se estão aparecendo no vídeo. Quando corta para os quadros, o ex-Glub surge mais à vontade. Interage de forma simpática com as crianças, que são estimuladas a dizer coisas surpreendentes ou engraçadas. Nem todas puderam ser ouvidas já que o áudio do programa de estréia estava com sérios problemas. Uma menina precisou até de legenda. Sem falar da iluminação, que oscilava o tempo todo.

Tagarelas tem ainda quadros em que muitas crianças estão vestidas e agem como adultos. Conversam sobre namoro, religião e outros assuntos pouco infantis. Na entrevista com o cantor Beto Jamaica, quiseram saber se ele gostava da bunda de alguma garota do É o Tchan. Beto respondeu que “é uma coisa bonita de se ver”. Aprendem também português errado no quadro Dicionário. “O que é um psicopata? É a mulher do pato”. Engraçado se fosse corrigido depois, mas a tristeza é que fica por isso mesmo. Tudo com os pais atrás, estimulando. Em busca da fama que, pela qualidade do programa, não deve durar mais de 15 minutos.

Circo infantil

© Copyright 1996/2000 Editora Três