CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK 
 BUSCA
 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 Cinema
Exposição
Livros
Música
Teatro
Televisão

Entrevista

Obrigado pela Lembrança
Geraldo Mayrink faz refinada biografia da cultura brasileira

Francisco Viana

Existe uma ambigüidade em ser brasileiro e viver sempre entre a prosperidade e a exclusão, além da espera de um futuro radiante que nunca chega. O livro Obrigado pela Lembrança (Ed. Unimarco, 203 págs., R$ 18) do jornalista Geraldo Mayrink, se nutre desses paradoxos e vai mais além. Traz à luz os bastidores das emoções e dramas de gente famosa que nas últimas décadas viveu intensamente as grandezas e contradições de um país que ambiciona ser próspero e feliz, mas parece se envergonhar dos próprios sonhos.

De forma primorosa, o conflito é sintetizado, por exemplo, em Glauber Rocha. O condestável do Cinema Novo emerge no ambiente confuso da abertura política do general Geisel sitiado por todos os lados: pela antropofagia da esquerda, pela crônica falta de dinheiro que tornava sua genialidade refém da burocracia e, sobretudo, pela multidão de fantasmas pessoais que faziam dele um obcecado pelo temor dos atentados pessoais. Tom Jobim, Luís Fernando Veríssimo e muitos outros oferecem o contraponto: são, digamos assim, as metáforas do êxito. Estão para Glauber Rocha assim como o destino de Caetano Veloso, “robusto e loquaz aos 58 anos, impregnado de amores felizes”, está para o poeta Casimiro de Abreu, morto aos 21 anos em 1860, de tuberculose, “impregnado de amores contrariados e infelizes”.

“Casimiro morreu em silêncio. Caetano vive no barulho”. Porém, o êxito e o barulho, ou qualquer outra metáfora que venham a sugerir, parecem sempre fugazes e a cada instante ameaçados de eclipsar-se diante da tragédia de uma armadilha qualquer do destino, de uma intangível vocação inconsciente para transformar o sucesso em fracasso. Essa tensão faz da obra às vezes uma visão do paraíso, às vezes um flagrante do inferno, sempre uma refinada biografia cultural. Um espelho de uma sociedade que quer ser universal, mas sem perder a sua essência maior, a graça e sensualidade do sotaque tropical.

Radiografia das vocações do Brasil

© Copyright 1996/2000 Editora Três