CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 INTERNET
 CLICK 
 BUSCA
 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 Cinema
Gladiador
Russell Crowe
Livre para voar
Através da Janela
Bilheteria
Exposição
Negro: uma raça e muitas vozes
Livros
Viagem à semente
Procópio e Boal: vidas sobre o palco
Best-seller
Città di Roma
Música
Memórias, Crônicas e Declarações de Amor
Nação Nordestina
Zé Ramalho
Bloco Vomit faz samba punk
Hits
Teatro
Il Guarany
Televisão
Retrato Falado
O prêmio dos contrastes
Eliana e Alegria
Cássio Scapin
Fique de olho
No Ibope
Charlote Pink

Ping-Pong

Russell Crowe

Marcelo Bernardes,
de Nova York

Divulgação
Crowe: “Sempre fui fisicamente muito ativo”

Entre o executivo da indústria tabagista que interpreta em O Informante e o general Maximus, de Gladiador, existe uma diferença de 34 quilos. Como perdeu tanto peso?
Sempre fui fisicamente muito ativo. Vivo numa fazenda produtiva
no interior da Austrália. Tenho 560 acres de terra, 270 vacas
e 100 quilômetros de cerca ainda para fazer. Colega, eu mesmo faço minha cerca, entende? Mas é claro que fiz alguns levantamentos
de peso e jogging também. Queria que meu personagem não parecesse esses idiotas com o corpo cheio de músculos. Para mim, Maximus tinha que ser um verdadeiro bruto.

Um de seus próximos filmes é Flora Plum, a ser dirigido por Jodie Foster, e no qual você interpreta um freak de circo. Sua composição física para este projeto será desfigurada e horripilante?
Sim, vai ser igualzinho quando eu chego em casa depois de uma noitada tomando cerveja num pub.

O que significou sua indicação para o Oscar de Melhor Ator?
A indicação me colocou numa posição privilegiada. Um monte de
gente tem carreiras estelares e não é reconhecida como eu fui este ano. Só achei uma aporrinhação ter que colocar black-tie para tantas cerimônias de premiação e sair sem carregar nada.

 

© Copyright 1996/2000 Editora Três