CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 CLICK 

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 
 

 



Dona Zica, 87 anos
O pacto de amor eterno com a Mangueira
A personagem mais famosa do morro carioca trabalhou como doméstica, chegou a apanhar da patroa e começou a namorar o compositor Cartola num passeio de bonde

Viviane Rosalem

André Durão
“Este é o meu lugar e tenho prazer de apresentá-lo ao mundo inteiro”, diz Dona Zica, que ciceroneou Carmem Miranda e Bill Clinton no morro da Mangueira. Abaixo, Dona Zica ao lado de Chico Buarque, que foi o tema do enredo da escola de samba, durante ensaio em 1998

Era uma bela tarde de domingo de Carnaval, em 1913, quando a menina Euzébia da Silva nasceu. Escolhido pelos pais, o guarda-freios da Estação da Central do Brasil Euzébio da Silva e a lavadeira Gertrudes Efigênia dos Santos, o nome soou estranho para a madrinha, que apelidou-a imediatamente de Zica. Hoje, aos 87 anos, a viúva de Cartola, nacionalmente conhecida como Dona Zica, só se lembra do verdadeiro nome quando apresenta sua carteira de identidade. “A Euzébia só existe nos documentos”, diz.

Integrante da velha guarda da Mangueira, no Rio de Janeiro, Dona Zica se mudou aos quatro anos de idade com a mãe e os quatro irmãos mais velhos para o morro de mesmo nome. Em 1919, ficou quase um ano morando na casa da tia, no Engenho Novo, subúrbio do Rio, para escapar da epidemia de varíola que atingia o morro. “Minha mãe me prevenia da doença me dando banhos de folhas de laranja da terra”, recorda-se. Aos 7 anos, a menina foi obrigada a trocar a escola pelo trabalho de empregada doméstica na casa de uma das patroas da mãe. “Só voltava para o meu barraco no fim de semana”, conta.

SURRAS DA PATROA
Para chegar ao trabalho, pegava dois bondes, de segunda classe. “Eram mais baratos e conduziam os compradores de jornais velhos, feirantes, peixeiros e as lavadeiras”, lembra. Na casa onde trabalhava, chegou a levar surras quando a patroa não ficava satisfeita com o serviço. “Era tratada como escrava”, afirma. Mas não podia abrir mão dos cinco mil réis por mês que recebia para ajudar a pagar o aluguel do quarto no morro da Mangueira.

Somente aos 11 anos, ela pediu demissão de seu primeiro emprego. Passou a ajudar a mãe em casa, cozinhando e lavando para fora. Desde cedo aprendeu a gostar do Carnaval. Aos nove anos, desfilou no bloco do tio Júlio, um dos primeiros a ser fundado no morro da Mangueira. Sua fantasia se limitava a um pedaço de lençol velho com fitas e panos coloridos. Quando Cartola, que viria a ser seu segundo marido, fundou a Escola de Samba Mangueira, em 1928, ela saiu de baiana. “Era a única ala que a escola tinha na época e a roupa era feita com chitão, um pano bem vagabundo”, lembra.

Zica se casou aos 19 anos com o fundidor Carlos Dias do Nascimento, com quem teve cinco filhos. A mais velha, Glória Regina, 57 anos, mora ainda hoje com ela. Três morreram quando ainda eram crianças — um de sarampo, um de infecção intestinal e outro de pneumonia. A caçula, Vilma, morreu aos 22 anos, vítima de câncer no pulmão. Pouco antes, Zica adotara Ronaldo, hoje com 49 anos. Ela é avó de três netos e tem dois bisnetos.

Arquivo Pessoal
Dona Zica, com o marido, o compositor Cartola, flagrados num passeio no Rio de Janeiro, nos anos 60

“CARTOLA ERA ESTÉRIL”
Durante o tempo em que foi casada com Carlos, Zica foi tecelã, cozinheira e lavadeira. “Na época, eu usava uma tina feita de barril para lavar a roupa e ferro a carvão para passar”, conta. Em 1948, seu marido morreu, vítima de tuberculose, e a família, que se mudara para o Engenho Novo, voltou a morar na favela da Mangueira. Desde então, não saiu mais. Em 1953, ela lavava roupa na casa do cunhado, Carlos Cachaça, quando foi surpreendida com o assédio de Angenor de Oliveira, o Cartola. “Ele puxou conversa e me convidou para passear de bonde”, conta. Depois de dois meses de namoro, apaixonados e viúvos, passaram a morar juntos. Com o compositor, ela nunca teve filhos. “Cartola era estéril”, explica. Foi em homenagem a Dona Zica que ele compôs “As Rosas não Falam”, em 1976, um de seus maiores sucessos. “Eu me espantei com a quantidade de rosas que nasciam no jardim e perguntei ao Cartola se ele sabia o motivo”, conta. “Ele simplesmente me respondeu: “Sei lá, as rosas não falam”, diz. Quinze dias depois, o samba estava pronto.

Em 1962, Dona Zica e Cartola realizaram um sonho antigo. Com a ajuda dos amigos, abriram o restaurante Zicartola, no centro da cidade. “Eu cozinhava e ele tocava”, conta ela. O local tornou-se ponto de encontro de muitos compositores. “Lá, Paulinho da Viola fez seu primeiro show e ganhou seu primeiro cachê”, diz. Zé Kéti foi o diretor artístico da casa e Nara Leão era freqüentadora assídua. O local também foi palco do casamento civil de Zica e Cartola, no dia 24 de outubro de 1964. “Foi uma festança”, lembra. Ela só lamenta o pouco tempo de vida do restaurante. “Tivemos que fechar no fim de 1964 por causa das dívidas”, conta. “Ele deixava os amigos pagarem fiado”.

Mas a carreira de Cartola ia de vento em popa e Dona Zica não precisava mais trabalhar. Ela acompanhava o marido em suas apresentações Brasil afora até 1980, quando Cartola morreu. Só conseguiu se confortar com o samba e com o amor que sempre sentiu pela Mangueira. Quando alguém visita o morro, normalmente é ela quem faz as honras da casa. “Foi assim com Carmem Miranda na década de 40, com o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, em 1997, e será com quem vier até aqui”, avisa. “Este é o meu lugar e tenho o maior prazer de apresentá-lo para o mundo inteiro”, afirma.

 


Copyright 1996/2000 Editora Três