CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 CLICK 

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 
 

 

Televisão

Faustinha atrás das câmeras
Irmã de Faustão e ex-apresentadora, Leonor Corrêa mantém a irreverência como diretora de tevê

Alessandra Nalio

Piti Reali
“Sou gordinha assim porque gosto de comer. Já fiz muita dieta, mas não tem jeito’’

Ser comparada ao irmão, o apresentador Fausto Silva, não incomoda a diretora de tevê Leonor Corrêa, 37 anos. “Somos os peso-pesados lá de casa”, diz. Só não gosta quando a chamam de Faustão de saias. “Prefiro Faustinha de saias.” Como o irmão mais velho, ela abandonou a faculdade de direito para ser jornalista e é conhecida pelo bom-humor. Certa vez, quando apresentava o Vitrine, na TV Cultura, terminou uma entrevista com a ex-jogadora de basquete Hortência jogando-se numa piscina com a atleta. Ganhou em 1991 o prêmio revelação da Associação Paulista de Críticos de Arte. Apesar de ter experimentado a fama diante das câmeras, diz preferir os bastidores. Hoje, dirige o Programa Fábio Júnior e o game show Top TV, na Rede Record. “É a minha praia”, diz.

Quando a caçula Maria Leonor nasceu, seu pai, o fiscal de renda Maury Corrêa Silva recebeu um cartão do amigo jornalista Blota Júnior – morto em 1999 – parabenizando-o por mais uma filha e trazendo a seguinte frase: “Conto com o voto dela para o Senado em 1982”. Maury riu, guardou o cartão e o mostrou à filha 20 anos depois. Léo mandou uma carta a Blota, então um dos sócios da afiliada da Record em Campinas. “Em 1984, ele me levou a um estúdio e, sem eu saber, gravou o nosso bate-papo. Depois disse que eu tinha talento e me daria bem na tevê.”

Léo tornou-se repórter de tevê em várias emissoras até chegar ao Vitrine. Entrou numa barca furada que foi o Coçando o Sábado, um programa de auditório comandado por ela na extinta Rede OM. “Fiquei lá seis meses, abri uma ação trabalhista quando saí e só recebi dois anos depois”, conta. Foi redatora do Domingão do Faustão. “A Léo conseguiu aliar impressionante capacidade criativa com enorme força de vontade de trabalhar”, diz Faustão. Na Record, dá expediente de mais de 12 horas diárias. Casada com o advogado Anthony Basil Ritchie, 58 anos, é assídua nas reuniões semanais na casa do irmão. “Gosto de comer. Já fiz muita dieta, mas não tem jeito”, diz ela, que fez terapia na adolescência para elevar a auto-estima. “Era a amiga que todos queriam ter, mas ninguém queria namorar. Hoje, posso não ser bonita, mas me dê meia hora de conversa...”

 


Copyright 1996/2000 Editora Três