CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS
 CLICK 

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 
 

Romance

Fogo nas Entranhas
Almodóvar mistura sexo e humor em pulp fiction eletrizante

Paula Alzugaray

Divulgação

No prefácio brasileiro de Fogo nas Entranhas (Dantes Editora, 124 págs., R$ 18), de Pedro Almodóvar, a atriz Regina Casé aparece com uma história pouco difundida sobre o vencedor do último Oscar de Filme Estrangeiro. Regina revela que, antes de escrever “essa novelinha safada”, em 1981, Almodóvar só fazia filmes pornôs.

A paixão do cineasta espanhol por inferninhos, boates gay e divertidas perversões já chegou ao grande público em filmes como Labirinto de Paixões (1982). Mas os anos selvagens de Almódovar produziram títulos muito mais explícitos, como Sexo Vai, Sexo Vem... (1977) ou A Queda de Sodoma (1975).

Este livrinho de bolso da Coleção Babel – focada na pornografia, no sensacionalismo e na literatura underground – é dessa época. Como em Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988), as mulheres são as protagonistas soberanas de Fogo nas Entranhas (que Regina Casé traduziria para “Calor na Bacurinha”).

Trata-se de uma turma bizarra de cinco mulheres, moldadas por Almodóvar para instigar qualquer tipo de fantasia sexual: uma chinesa, uma frígida, uma ex-espiã disfarçada, uma figurante de faroestes italianos e uma assistente de laboratório químico, que um belo dia foge para Ibiza com um grupo de hippies levando só a roupa do corpo. Todas “vadias” e ex-mulheres de um chinês sentimental, dono de uma fábrica de absorventes íntimos – que de tanto ser traído se transforma no vilão da história. Sua vingança: condena todas as mulheres de Madri a se tornarem escravas do desejo.

Como em um barato folhetim pornográfico, a mocinha não podia deixar de ser uma ex-freira – “de uma sensatez insana, que lhe dava um toque de graciosa mediocridade, imprópria de uma heroína”. Mas a marca inconfundível de Almodóvar está ali: além do humor deslavado, a incrível habilidade de reunir fragmentos distantes da vida e atá-los em um só nó. É o poder da atração (seja ela pelo sexo, pela amizade ou pela casualidade) – que conduz todos seus personagens a uma única e derradeira cena final.

Diversão na certa

Copyright 1996/2000 Editora Três

LEIA
TAMBÉM
 Cinema
O Mundo de Andy
Courtney Love
Cronicamente inviável
Linhas cruzadas
Meg Ryan: a namorada da América
Ruy Guerra em Cannes
 Livros
Fogo nas Entranhas
Rede de risos
O vôo de Richard Capelo Gaivota
Best-sellers
 Música
Jorge Amado Letra & Música
Ecstasy
Canções, versões
Ping-pong
Hits
 Exposição
Brasil+500 - Mostra do Redescobrimento
Artista da pré-história
 Televisão
Note e anote
Rotas de integração
Otávio Mesquita
Fique de olho
No Ibope
 Internet
Mendigo Bréa
The Sims