CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 

 

Música

“Adoro carne humana”
Enrique Iglesias vem ao País, canta com Sandy e diz que o pai Julio Iglesias não lhe apresenta mais as namoradas

Rodrigo Cardoso

Silvana Garzaro
Enrique conta que nunca falou sobre música com o pai e diz que Sandy e Júnior têm carisma. “Mas são muito baixinhos”, diz ele

Foi num passeio de carro, em Miami, com uma amiga brasileira que o cantor Enrique Iglesias descobriu a cantora Sandy. “Assim que o CD tocou, fiquei impressionado com a voz dela.” Meses depois, o espanhol e a dupla gravavam a música “You’re my # one”, para o CD de Enrique. “Não entendia o carisma deles até que os vi”, diz o cantor. “O único problema é que os dois são muito baixinhos.” Semana passada, Enrique, 24 anos, esteve no Brasil e cantou com Sandy e Júnior.

Por causa dos compromissos, Enrique não pôde conhecer melhor a família de Sandy. Mas diz que nunca se esquecerá do pai dela. “É um nome que não sai da cabeça: Sorolô, Sorolô.” É a quarta vez que Enrique vem ao Brasil. Perguntado sobre o que costuma fazer, quando está de folga no País, foi interrompido por um membro de sua equipe. “Ele é louco por churrascaria”, contou Gonzalo Ramirez. “Adoro carne, carne humana”, emendou Enrique. E depois corrigiu: “Carne feita por humanos, perdón.”

Há poucas semanas, o jornal americano New York Post noticiou que Enrique e a cantora Cristina Aguilera trocaram beijos numa boate. Questionado por Gente, o cantor irritou-se: “Incrível! Como essa notícia chega aqui?” Ao seu lado, Marcelo Camacho, gerente de sua gravadora, lhe explicou: “Pela Internet”. Não satisfeito, o espanhol insistiu: “Mas aqui vocês lêem New York Post todos os dias?” E Camacho encerrou o assunto: “Os dois estavam conversando numa festa. Mas são só bons amigos”.

Enrique já vendeu 12 milhões de CDs no mundo todo. O primeiro deles, Enrique Iglesias, lançado em 1995, não foi dedicado ao pai, Julio Iglesias, e sim a uma ex-babá. “Meu pai não influenciou minha carreira”, diz. “É um grande trabalhador, mas não escutava suas canções.” Enrique e o pai, aliás, nunca conversaram sobre música. “Quando eu era pequeno, ele me apresentava as suas namoradas. Agora não faz mais isso”, conta Enrique.

 


Copyright 1996/2000 Editora Três