CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 
  

 

Julia Roberts

“Ainda não sei o que é fama”
A atriz mais bem paga de Hollywood diz que só divide sua nudez com quem ama

Marcelo Bernardes,
de Nova York

Divulgação
“O maior mito sobre alguém famoso é pensar que o ator tem sempre uma vida interessantíssima. Tenho colegas que são maçantes até ao procurar um iogurte na geladeira”, diz a atriz

Aos 32 anos, dez de carreira e 24 filmes, Julia Roberts é um colosso. Com seu novo filme, Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento, drama dirigido por Steven Soderbergh, ela chegou a um salário de US$ 20 milhões. Por essa soma tilintante, Roberts passou a longilínea perna em Jodie Foster, Meg Ryan e Sandra Bullock e se tornou, segundo palavras dela, a primeira garota do planeta a entrar no seleto clube de milionários de Hollywood, formado por Harrison Ford, Mel Gibson, Tom Cruise, Leonardo DiCaprio, John Travolta e Tom Hanks. Segundo enquetes das revistas Fortune e Première, Julia, que concorreu duas vezes ao Oscar (Flores de Aço e Uma Linda Mulher), é a mulher mais poderosa do showbizz americano.

Enquanto seduzia as platéias com seu sorriso quilométrico, a atriz acumulou na última década uma lista de namorados, maridos e projetos de futuros maridos de deixar até Elizabeth Taylor atônita. Julia deixou Kiefer Sutherland no altar e fugiu com seu melhor amigo, o ator Jason Patric, para a Irlanda. Tirou umas casquinhas de Liam Neeson e Tim Robins. Depois se casou com o cantor country Lyle Lovett. Separou-se e parece agora ter se firmado com o ator com sangue peruano nas veias, Benjamin Bratt.

Uma coisa é certa: caso Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento tivesse estreado no final do ano passado, Hilary Swank não teria levado o Oscar para casa. Mas a universal /Columbia Pictures, os estúdios responsáveis pelo lançamento, farão uma grande campanha para Julia abocanhar o Oscar de 2001. Até lá, a atriz segue fazendo seu tricô, lendo os livros de seu escritor preferido, o brasileiro Paulo Coelho, e contracenando com Brad Pitt em um novo drama, The Mexican.

Em Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento, é a primeira vez que você interpreta uma personagem real. Como foi a experiência?
Uma panela de pressão. Achei que podia estar sendo inverossímel. Parece que não foi o caso, não é?

Com qual aspecto da personalidade de Erin Brockovich mais identificou-se?
A altura dela (risos). Não, foi sua tenacidade.

O público vem abaixo quando você aparece de minissaias, se equilibrando numa sandália de salto agulha. O quanto esse estilo assemelha-se ao da verdadeira Erin?
Não teria usado aquelas roupas se a verdadeira Erin não gostasse de salto alto, minissaias e blusas colantes. Erin se veste assim porque acha bonito, não pensa em despertar o desejo sexual em ninguém. Ela apenas não dá a mínima para o que as pessoas pensam. Usar o guarda roupa dela foi divertido. Uma vez conseguido o molejo sobre os saltos, parecia que estava descalça. Quanto às minissaias, era só manter a lembrança de que garotas sentam-se de pernas fechadas.

O comentário geral sobre o filme foi o tamanho de seus seios.
Bem, meu querido, eu não fiz plástica, se é isso que quer saber. Existe uma coisa chamada wonderbra. Você coloca este sutiã, ele aperta e levanta seu peito até eles acomodarem-se perto da garganta. Não uso sempre, mas confesso que me senti poderosa.

Qual o segredo de manter essas pernas, que viraram marca registrada em Uma Linda Mulher?
Eu malho, e como conscientemente. Detesto pessoas com corpos fenomenais que dizem que não têm um cuidado especial com ele. Odeio a Naomi Campbell. Ela tem o corpo mais fantástico que a humanidade já conheceu e diz que não faz nada, que adora comer batata frita. Sei!

Quando completou 30 anos disse que não tinha ficado em pânico, como a maioria de suas amigas.
Apenas não queria sentir-me um trapo. Resisto à estupidez que é esse papo de envelhecer e o quanto depressivo isso é para a mulher. Foi só passar um creminho em volta dos olhos e dar uma grande festa.
Com o salário de US$ 20 milhões que recebeu por este filme, você já deve ter ficado escorada em termos de investimentos, não?
Eu detesto o lado dos negócios. Faço parte do showbusiness, mas presto atenção somente à parte do show.

Próximo >>

 

 

Copyright 1996/2000 Editora Três