Reportagens  
Tímida, a atriz tem suas táticas para escapar do assédio. “Às vezes ando rápido para não
dar tempo da pessoa raciocinar
se era eu ou não”, diz
• • •
Capa
Menina de ouro

Maior revelação de Páginas da Vida, Marjorie Estiano
assinou contrato com a Globo até 2009, já está escalada
para mais uma novela das oito e conta que deu beijo
técnico antes de beijar de verdade
texto Jonas Furtado
fotos Alexandre sant’anna
 Envie esta matéria para um amigo
“Já sabia do seu talento. Mas tamanha competência numa pessoa tão jovem me surpreendeu bastante”,
diz Manoel Carlos, autor de Páginas da Vida
Ela é a grande revelação da teledramaturgia brasileira em 2006. No papel da jovem Marina de Páginas da Vida, uma personagem de forte carga emocional por lidar com o pai alcoólatra, Marjorie Estiano roubou a cena entre os inúmeros medalhões que formam o elenco da novela. O reconhecimento veio em forma de novo desafio: Marjorie acaba de ser escalada para mais uma trama das oito, de Aguinaldo Silva, que substituirá Paraíso Tropical, de Gilberto Braga, em outubro de 2007. A atriz de 24 anos havia demonstrado seu valor no seriado jovem Malhação, mas seu desempenho em Páginas da Vida, sua primeira novela, impressionou até o autor Manoel Carlos. “Já sabia do seu talento. Mas tamanha competência numa pessoa tão jovem me surpreendeu bastante”, diz ele. “O personagem cresceu muito por conta dessa força que ela tem como intérprete.”

O diretor Jayme Monjardim endossa os elogios: “Marjorie teve um desempenho muito bom no teste que fez para a novela, e está nos surpreendendo a cada dia com um trabalho cada vez melhor”, diz. “Marina é uma personagem densa e difícil e a Marjorie está interpretando esse papel magistralmente, com a intensidade na medida certa”, completa Monjardim. Com o sucesso, a atriz acaba de assinar seu primeiro contrato longo com a Globo, até 2009. Antes, seu acordo com a emissora se restringia à obra.

Boa parte do laboratório para interpretar Marina a atriz fez em casa. Assim como o Bira (interpretado por Eduardo Lago) de Páginas da Vida, seu avô materno, Cláudio Dias, foi alcoólatra, e Marjorie usou a mãe como a principal fonte de suas pesquisas. “Ele deve estar há uns 30 anos sem beber. Freqüenta o AA, faz palestras a respeito. Mas não existe a palavra curado para um alcoólatra. Ele está em recuperação, nunca mais poderá dar o primeiro gole”, diz ela, que, por conta da distância, teve muito pouco contato com o avô. “Ele mora em Vitória da Conquista (BA). Temos muito carinho um pelo outro, mas se nos vimos dez vezes na vida foi muito.”

Em pouco mais de dois anos na Globo, Marjorie só conheceu o gosto do sucesso. Entre a protagonista de Malhação e o grande destaque de Páginas da Vida, ela emplacou também uma meteórica carreira como cantora. Seus shows valem hoje entre R$ 20 mil e R$ 25 mil – ainda que ela não esteja se apresentando por estar com a agenda tomada pelas gravações da novela. Seu primeiro álbum vendeu 170 mil cópias. E tudo começou quase por acaso. A princípio, Natasha, a personagem de Marjorie em Malhação, seria apenas a baixista da Vagabanda. Até que o produtor musical da série, Vitor Pozas, viu Marjorie cantando, e teve a idéia de transformar a banda em um grupo de verdade. A atriz topou e eles fecharam contrato com a gravadora Universal. Há um ano e meio, Marjorie namora o músico André Aquino, 29 anos, que toca violão na banda. Sobre o relacionamento, ela é irredutível: “Nenhuma palavra sobre esse assunto”, decreta.

A atriz colhe hoje os frutos de ter corrido atrás de seus sonhos. Filha do meio do casal Eurandir Lima de Oliveira, 53 anos, comerciante, e Marilene Oliveira, 53, enfermeira, Marjorie deixou a casa dos pais em Curitiba aos 18 anos para morar sozinha e estudar teatro em São Paulo. Sustentada pela família na época, chegou a pensar em desistir de tudo. “Mas sou muito determinada. O meu ‘eu não quero mais’ durava um minuto, até acabar a caixa de bombom”, diverte-se.

A rapidez com que se tornou famosa assustou Marjorie no início,
mas ela diz que hoje já se sente mais à vontade. “Antes, eu ficava angustiada. É meio que o galã da vez, a bola da vez. Eu tinha dificuldade em lidar com isso”, confessa. “A parte mais cansativa
é que você leva junto o trabalho para as ruas, as pessoas te
adoram, querem conversar. E elas precisam disso. Estou muito
feliz, tenho muita energia para tudo que me demandam.” Tímida,
a atriz diz que desenvolveu alguns métodos para passar despercebida. “Às vezes ando rápido para não dar tempo da pessoa raciocinar se
era eu ou não.”

Apesar de todo o sucesso, contracenar com pessoas que até pouco tempo eram ídolos distantes ainda mexe com a imaginação de Marjorie. “Fiz uma cena com o Tarcísio Meira em que coloquei o ouvido na barriga dele. Eu ouvia coisas! Pensava: ‘Gente, tô ouvindo coisas da barriga do Tarcísio Meira!”, brinca. “Logo que entrei na Globo isso era mais forte. Via o Lima Duarte pedindo um pão de queijo e me sentia num filme tipo Roger Rabbit, que mistura desenhos e pessoas. Eu era gente e eles (os atores famosos) os desenhos passando”, sorri, sem perceber que, com tamanho sucesso, em breve ela será o cartoon dos novos talentos.