CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO ISTOÉ
 

 

Lili Carabina
Condenada a mais de 100 anos de prisão devido a seus crimes nos anos 70, a assaltante morreu de enfarte, aos 56 anos

Por Cesar Taylor

Rosane Marinho /AE
Lili Carabina, ao ser libertada, em 1999:
“Estou arrependida”

Djanira Ramos Suzano havia trocado sua pistola 9 milímetros por uma Bíblia e jurava estar arrependida. Em sua ficha policial estão seis fugas de cadeias e condenações por homicídios, assaltos, latrocínio, tráfico, direção perigosa, porte de armas e falsidade ideológica que somavam mais de 100 anos. Na década de 70, Djanira virou Lili Carabina e passou a usar roupas justas e peruca loura para seduzir os guardas dos bancos, enquanto sua quadrilha agia. Sua carreira foi glamurizada pelo filme Lili, a Estrela do Crime (1987), com Betty Faria. Aos 20 anos, separada e com dois filhos pequenos, ela cometeu seu primeiro crime ao matar os dois assassinos de seu amante, um traficante. Com o lado esquerdo do corpo paralisado e duas balas alojadas em sua cabeça, ela passava os dias lendo a Bíblia no Presídio Talavera Bruce, no Rio. “Todos podem errar. Errei, paguei por isso e sofri muito”, disse ao ser libertada, no final de 1999, no indulto de Natal, após 11 anos encarcerada. Ela morreu de enfarte na quarta-feira 5, aos 56 anos, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Deixa uma filha e um neto.

Orlando Kissner/AE
Barbosa, o goleiro da Copa de 50:
“Fui condenado”

Moacir Barbosa, o goleiro que entrou para a história como o responsável pela derrota do Brasil para o Uruguai na Copa de 1950, morreu na sexta-feira 7, por problemas decorrentes de um derrame cerebral, aos 79 anos. “Eu fui condenado a uma prisão perpétua”, disse Barbosa, sobre o chute que não conseguiu segurar, do ponta-direita uruguaio Gigghia, que levou o Brasil a perder de 2x1 diante de 200 mil torcedores no Maracanã. Considerado um dos melhores goleiros do mundo de sua época, ele jogou pelo Vasco da Gama por 18 anos e só parou em 1963, aos 42 anos. Foi treinador por pouco tempo e, aos 45 anos, tornou-se funcionário público. Barbosa viveu os últimos anos em grande dificuldade financeira, dependendo de uma ajuda mensal de R$ 2 mil que o Vasco da Gama lhe dava. Viúvo, deixa um sobrinho e uma cunhada, seus únicos parentes. Ele foi enterrado no sábado 8,
no cemitério Morada da Planície, em Praia Grande, litoral de São Paulo.

João Camarão Telles Ribeiro, tenente-brigadeiro-do-ar que descobriu o Pico da Neblina, morreu na sexta-feira 7, aos 84 anos, de causa não divulgada. Ele participou da criação do Correio Aéreo Nacional e, segundo comunicado da Aeronáutica, revolucionou os métodos
e instalações da Escola Preparatória de Cadetes do Ar, em Barbacena, Minas Gerais. Considerado o desbravador da Amazônia, ele foi o responsável pela identificação e demarcação do Pico da Neblina, na Amazônia, o mais alto do Brasil (3.014 metros). Seu corpo foi sepultado em Campinas, São Paulo, no sábado 8.

AP
Claire Trevor: especialista em papéis secundários

Claire Trevor Bren, que ganhou o Oscar em 1948 como atriz coadjuvante por Paixões em Fúria, morreu no sábado 8, aos 90 anos, de causa não revelada. Ao longo de cinco décadas de carreira, ela se tornou uma das atrizes mais procuradas para papéis secundários, fazendo mais de 60 filmes, entre eles, No Tempo das Diligências. Filha de um alfaiate que faliu na depressão econômica americana de 1929, ela tornou-se conhecida por sua filantropia e apoio às artes. Deixa um enteado, o bilionário da construção civil Donald Bren.

 

Copyright 1996/2000 Editora Três