Reportagens  
"Luana é linda, boa companheira. Meu filho está bem em São Paulo, contente, namorando. Ainda não conheço a Luana a fundo. Mas o dia em que eu a conhecer, sei que vou gostar", diz Pepita Rodrigues, mãe de Dado, sobre Luana
Piovani, a namorada do filho
• • •
Capa
O pequeno princípe

Protagonista de Cristal, do SBT, e namorado de Luana
Piovani, em cartaz com O Pequeno Príncipe, o ator Dado
Dolabella acha que incomoda os homens por ter ficado com
muitas mulheres, diz que, na Globo, há uma panelinha na hora
da escolha dos atores e jura ter sido fiel a todas as namoradas
texto Claudia Jordão
fotos Edu Lopes
 A minha famÍlia é uma bagunça
 Envie esta matéria para um amigo
Ele recusou o papel de um metrossexual em Cobras & Lagartos antes de acertar com o SBT: “Ele (metrossexual) não ia acrescentar em nada na minha carreira e na minha vida. Eu
não quero mais fazer um bobinho, um cara fútil. Queria um
cara de conteúdo”, diz ele
Dado Dolabella estreou na Globo em Malhação, em 2001. Nesses cinco anos, a pinta de galã lhe valeu páginas e páginas em jornais e revistas. Mas não mais do que outros atrativos, como os namoros com belas mulheres, como a atriz Deborah Secco, a cantora Wanessa Camargo e a apresentadora Adriane Galisteu, atrasos em gravações, discussões em público e em programas de tevê – foi acusado de ofender integrantes da Velha Guarda da Portela no Carnaval de 2005 e criticado por brigar com o apresentador João Gordo em programa da MTV. Pouco antes de posar para Gente, a poucos dias de sua estréia como protagonista da novela Cristal, do SBT, que aconteceu em 5 de junho, Dado comentou: “Eu acho que a minha presença incomoda. Não sei se é porque eu já fiquei com muitas mulheres e isso incomoda os homens”.

Se depender da nova conquista amorosa de Dado – e se a declaração dele tiver um fundo de verdade – os que o invejam, que confiram a cena. Dado assumiu em público o namoro com a atriz Luana Piovani, em cartaz em São Paulo com a peça O Pequeno Príncipe. Aos 29 anos, Luana carrega no currículo os mesmos ingredientes da curta trajetória de Dado. Namoros com beldades, como Rodrigo Santoro, Marcos Palmeira e Paulo Vilhena. E uma coleção de polêmicas – foi fotografada sem calcinha na Academia Brasileira de Letras, na noite em que recebeu o prêmio de melhor atriz de teatro, e acusada de fazer apologia às drogas ao admitir em entrevista que de vez em quando fumava maconha.

Já há amigos em comum brincando que a simples união entre Dado e Luana dispensa que se acenda o pavio de uma bomba. O ator, porém, não quer que esse seja mais um caso explosivo em sua vida. Recentemente, ele procurou um escritório de comunicação para dar uma guinada na imagem que construiu nesses cinco anos. Desde então, não dá declarações sobre namoradas (atual ou ex) e foge de polêmicas. Tem agido assim depois que começou a sair com Luana, com quem é visto desde o Dia dos Namorados, quando dividiu a mesma mesa de um bar, em São Paulo.

Na semana seguinte a esse primeiro encontro em público, Dado e Luana, recém-separada de Rico Mansur, foram flagrados numa casa noturna e numa locadora de DVDs. Procurado, o ator manteve o silêncio, mas não contava com a espontaneidade de Luana. Na terça-feira 4, ela confirmou em um shopping de São Paulo ser mais do que colega de profissão de Dado: “Sim, estou namorando o Dado”. No dia seguinte, aconteceu a cena final da novela de que o protagonista teimava em guardar segredo: Dado e Luana foram fotografados aos beijos num restaurante paulistano. “Luana é linda, boa companheira. Meu filho está bem em São Paulo, contente, namorando. Quer maior prazer que um filho feliz?”, diz Pepita Rodrigues, mãe de Dado. “Ainda não conheço a Luana a fundo. Ano passado, estive com ela duas, três vezes, na gravação de um comercial, ela veio me cumprimentar. Mas o dia em que eu a conhecer, sei que vou gostar. Ela é encantadora.”

Namoros, como o de Luana, e polêmicas, como a saída da Globo e a ida para o SBT, pontuam a biografia desse ator de 25 anos, parafraseando Roberto Carlos, com fama de mau. Em abril passado, Dado desistiu de interpretar um metrossexual em Cobras & Lagartos durante o workshop da novela, quando os atores e seus respectivos personagens são apresentados para todo o elenco. “Eu não senti vontade de fazer o personagem. Ele não ia acrescentar nada na minha carreira e na minha vida”, explica Dado. “Eu não quero mais fazer um bobinho, um cara fútil. Eles vão ridicularizar o metrossexual. Eu queria um cara de conteúdo.”

O ator afirma que o diretor da trama da Globo, Wolf Maia, havia oferecido a ele como segunda opção o papel de um motoqueiro e que nesse workshop Wolf não teria bancado essa escolha de Dado. O diretor diz que a intenção de viver o motoqueiro na trama partiu de Dado. “Infelizmente não dava para ser o Dado. O personagem é mais velho, tem uma bagagem, um passado”, explicou ele. “Dado é imaturo como profissional. Não sabe se quer ser ator ou cantor.” O ator rebate: “O imaturo é ele (Wolf) ao me criticar por uma decisão minha. Está na cara que está ofendido de eu não fazer a novela dele”.

Ao fechar as portas da Globo, Dado viu com bons olhos o convite para interpretar João Pedro em Cristal, do SBT, e cantar o tema de abertura da novela. Inclusive porque a história do personagem é semelhante de seu pai, o ator Carlos Eduardo Dolabella, morto em 2003. Em Cristal, João Pedro sofre imposição da madrasta para ser empresário, mas sonha ser artista.

Na vida real, Valentim Bouças, bisavô de Dado, depositava a confiança no futuro dos negócios no neto, Carlos Eduardo, o homem mais velho da família à época – o herdeiro, portanto. Valentim foi coordenador das negociações da dívida externa brasileira junto ao governo dos EUA, consultor financeiro pessoal do presidente Getúlio Vargas e um dos responsáveis pela chegada da Coca-Cola e da IBM ao País. “Morando na Suíça, com 26 anos, meu pai disse para o meu bisavô que queria ser ator”, conta Dado. “Meu bisavô deixou cair a xícara de café e falou: ‘Eu tenho um neto veado’. Meu pai brigou com meu bisavô e voltou para o Brasil para ser artista.”

Tal dilema na trama do SBT, que trouxe o diretor Herval Rossano, que dirigiu o sucesso A Escrava Isaura, na Record, e outros atores da Globo, não tem alavancado a audiência da emissora. A novela estreou com 9 pontos de média e, hoje, atinge dois a menos. Silvio Santos já estuda mudanças. Dado, porém, enxerga um ponto positivo em Cristal: “A concorrência é necessária para a Globo crescer. Ela vai deixar de usar o nepotismo, vai deixar de fazer panelinha, para trabalhar com os melhores”.