CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 Seções
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 Coluna
 EXCLUSIVAS

 

  DINHEIRO ISTO╔
 

 

História

Memória dos porões
Mãe do humorista Bussunda, Helena Besserman vai a congresso na França sobre seu livro, em que denuncia médico que assistiu a sessões de tortura

Luís Edmundo Araújo

Leandro Pimentel
“Defendi o João Goulart na rádio e fiquei dois dias no Doi-Codi”, diz a psicanalista Helena Bessermanö

Há 27 anos, a psicanalista Helena Besserman Vianna arriscou a vida ao denunciar o médico Amílcar Lobo como participante de sessões de tortura durante a ditadura militar. Agora, aos 68 anos, Helena tem duplo motivo para comemorar a atitude que levou à cassação do registro de Amílcar Lobo, em 1986. Além de ter recebido do grupo Tortura Nunca Mais a medalha Chico Mendes de Resistência, no último dia 31 de março, Helena se prepara para participar do congresso Os Estados Gerais da Psicanálise, em julho, em Paris, por causa da publicação na França de seu livro Não Conte a Ninguém, sobre o caso Amílcar.

Mãe de três filhos, entre eles Cláudio Besserman Vianna, 37, o comediante Bussunda, a psicanalista começou a atuar na política ainda estudante. Quinze dias após o golpe militar de 1964, foi presa. “Defendi o João Goulart na rádio e fiquei dois dias no Doi-Codi.” Nos piores anos da ditadura, a casa de Helena e do marido, o médico Luiz Guilherme Vianna, morto há dois anos, virou ponto de encontro de intelectuais. Garoto na época, Bussunda apelidou os encontros: “Ele dizia que se somássemos a idade de todos, daria mais de mil anos”, diz.

Em 1973, Helena denunciou Amílcar Lobo, que assistiu a sessões de tortura. Na época, Amílcar pleiteava uma vaga de psicanalista na Sociedade de Psicanálise do Rio de Janeiro (SPRJ). Helena enviou à Associação Psicanalítica Internacional denúncias contra Amílcar.

Até a cassação de Amílcar, Helena sofreu com ameaças por telefone e descobriu a tempo uma bomba embaixo de seu carro, em 1974. “Ouvi um barulho, chamei o mecânico e ele viu a bomba”, conta. Hoje, Helena continua seu trabalho de denúncia. “A tortura permanece nas prisões”, conclui a mãe de três filhos e avó de quatro netos. Além de Bussunda, Helena é mãe de Marcos, 41, um dos diretores da Fundação Oswaldo Cruz, e Sérgio, 43, presidente do IBGE.

 

Copyright 1996/2000 Editora Três