CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 Seções
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 Coluna
 EXCLUSIVAS

 

  DINHEIRO ISTOÉ
 

 

Carreira

Cláudia Abreu em plena forma
Atriz filma sob a direção do marido, estuda canto para trabalhar em musicais e quer estudar Filosofia

Rosângela Honor

Leandro Pimentel
Cláudia Abreu retoma o projeto do filme que a aproximou de seu marido José Henrique

Cláudia Abreu e José Henrique Fonseca se conheceram quando ela ainda era uma “pirralha” de 14 anos e ele um jovem de 20. Tinham amigos em comum e sempre se encontravam por acaso. Há pouco mais de três anos, o cineasta ligou para Cláudia e a convidou para fazer o filme O Homem do Ano. O longa ainda não foi rodado, mas os dois estão juntos há três anos e casados há dois. Em junho, o projeto que os aproximou finalmente vai levá-los ao set de filmagens, agora como marido e mulher. A produção será dirigida por José Henrique, 35 anos, filho do escritor Rubem Fonseca.

De férias da tevê desde o fim da novela Força de Um Desejo, Cláudia Abreu interpretará Cledir, a mulher do matador. Será seu sexto filme. Aos 29 anos, ela acumula em seu currículo Tieta, de Cacá Digues, O que É Isso, Companheiro?, de Bruno Barreto, Ed Mort, de Alain Fresnot, A Guerra dos Canudos, de Sérgio Rezende, e O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria Júnior, que ainda não foi exibido. Sobre o fato de trabalhar com o marido pela primeira vez, ela prefere não arriscar um palpite. “Vamos ver no que vai dar”, diz. Na vida real, a parceria tem dado certo. Depois de dois longos relacionamentos, com Fábio Assunção e Guilherme Fontes, ela diz ter optado por marcar a diferença com o diretor José Henrique casando-se oficialmente. “Antes, diferente era morar junto, hoje em dia é o contrário.”

Se nas experiências anteriores filho era um assunto distante para a atriz, com José Henrique é um projeto concreto. Só não querem planejar. “Preferimos deixar acontecer, é complicado tentar se organizar”, pensa a atriz. Há um ano, a vida a dois fez com que Cláudia Abreu também incorporasse um novo hábito. Passou a ter aulas regulares de ginástica e musculação com a professora Michele Brandalisi. Pela primeira vez, confessa que está se preocupando com a forma. “Mulher inteligente é a que se cuida quando casa, é um erro achar que o jogo está ganho”, ensina.

O casal é de uma discrição ímpar. Festas e estréias, só se forem de amigos muito próximos. José Henrique é caseiro ao extremo. Os dois preferem reunir os amigos no apartamento em que moram na Gávea, na zona sul do Rio. Uma vez por ano, fazem uma viagem ao exterior. “Eu me enriqueço muito a cada viagem, preciso ter essa pausa”, conta. Quando terminou de gravar Força de Um Desejo, em janeiro, Cláudia passou uma temporada com o marido no Taiti.

Cláudia Abreu mantém a discrição também no trabalho. Voltou às novelas somente no ano passado, em Força de Um Desejo, de Gilberto Braga, depois do afastamento de quase três anos. “O convite caiu como uma luva e chegou no momento certo”, diz. Não foi por falta de chamados que ela esteve tanto tempo distante. A atriz chegou a ser convidada para interpretar várias personagens, entre as quais Hilda Furacão. Mas não foi possível conciliar o trabalho na minissérie com as temporadas das peças Noite de Reis e As Três Irmãs. “Foi um período intenso de trabalho.”

SONHO MUSICAL
Nos últimos tempos, Cláudia Abreu vinha preferindo manter contratos curtos com a Globo para não perder essa autonomia. Decidiu rever essa decisão no ano passado, depois de uma nova negociação com a emissora. Assinou um contrato de três anos, mas deixou clara sua intenção de continuar fazendo teatro e cinema. Entre suas pretensões pessoais, sonha com a possibilidade de cursar Filosofia na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio. Também está investindo na voz. Recentemente, começou a ter aulas de canto. “O meu sonho é fazer um musical, quero perder a inibição e cantar bem”, justifica. A ex-musa dos cara-pintadas avisa que deixou a política para trás. “Naquela época (impeachment de Fernando Collor), fiquei preocupada em parecer o bobo da corte”, conta, ao lembrar que era convidada para participar de debates e dar opiniões. “Eu me achava rasa para falar sobre o assunto”, explica.

 

Copyright 1996/2000 Editora Três