CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 Seções
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 Coluna
 EXCLUSIVAS

 

  DINHEIRO ISTOÉ
 
 

Drama

Fim de Caso
Graham Greene devolve prestígio a Neil Jordan e põe Julianne Moore na mira do Oscar

Gabriela Mellão

Divlgação

Esta é a segunda vez que o mais autobiográfico dos romances de Graham Greene chega ao cinema – o diretor canadense Edward Dmytryk já havia se aventurado na história, em 1955. Inspirado no caso extraconjugal do autor inglês com a norte-americana Catherine Waltson, Fim de Caso, publicado pela primeira vez em 1951, foi o livro de cabeceira da geração pós-guerra na Inglaterra. O filme, que chega aos cinemas do Brasil na sexta-feira 24, devolve o prestígio ao diretor de Traídos pelo Desejo, Neil Jordan – abalado depois de A Premonição. Fim de Caso fala sobre traição, mas foge do lugar-comum ao regar um caso extraconjugal com sentimentos religiosos. A fé e a punição de Deus estão em evidência tanto quanto a intensa e proibida paixão do casal de amantes interpretado por Julianne Moore e Ralph Fiennes (O Paciente Inglês). A atuação rendeu à atriz sua segunda indicação ao Oscar – a primeira foi pelo polêmico Boogie Nights. Ela é Sarah Miles, uma mulher ardente aprisionada num casamento estéril. Ele, Maurice Bendrix, um romancista que alimenta os livros com sua infelicidade. Os dois vivem um intenso caso de amor, contado em flashbacks a partir de um reencontro, sete anos após o início do romance. Quem proporciona a reaproximação é justamente o apático marido traído, Henry Miles, um honrado funcionário do governo. Miles é vivido pelo ator Stephen Rea (Traídos Pelo Desejo), que após oito trabalhos com o diretor, já virou marca registrada de seus filmes. Inocente, ele imagina que sua mulher está tendo um (outro) caso e confidencia a Maurice sua idéia de vigiá-la com um detetive – o atrapalhado Parkins (Ian Hart, Terra e Liberdade), que dá um tom de humor ao filme. O belo trabalho de Neil Jordan conta com uma produção impecável. Cenas recriam Londres no auge da guerra, quando um terço da cidade foi demolida. Tomadas noturnas, debaixo de chuva e mistério, também renderam boas oportunidades para iluminação e deram ao filme mais uma indicação ao Oscar, a de Melhor Fotografia.

Amor e fé em tempos de guerra

Copyright 1996/2000 Editora Três

LEIA
TAMBÉM
Zé do Caixão ressuscitado
Bilheteria
O último entardecer
Live in Europe 1968