Reportagens  
 Deixe aqui o seu comentário
 Envie esta matéria para um amigo
Sucesso
Galã de corrida

Ator da minissérie JK, Paulo Nigro estreou como piloto de Fórmula 3 conquistando duas vitórias e conta que, na infância, vendeu sanduíches na rua para ajudar a família
texto: diógenes campanha
foto: wellington cerqueira
Em fevereiro do ano passado, Paulo Nigro sofreu um grave acidente de carro e teve traumatismo craniano, mas não desistiu de correr
Em 10 de dezembro do ano passado, quando alinhou o carro no grid de largada da última etapa do Campeonato Sul-Americano de Fórmula 3, Paulo Nigro foi dominado pela emoção. As luzes acesas e o ronco dos motores lhe lembraram as corridas de Ayrton Senna que assistia pela tevê. Naquele momento, no mesmo Autódromo de Interlagos onde o ídolo fizera história, ele realizava o sonho de se tornar piloto. “Comecei a chorar dentro do carro”, conta. E foi com os olhos marejados que, 25 minutos depois, o ator cruzou a linha de chegada em primeiro lugar. No dia seguinte, venceu novamente. “Antes, queria pelo menos poder sentar em um carro desses. Agora, sou vencedor de duas corridas! Foi um fim de semana inesquecível.” Com as vitórias na estréia, Paulo – que antes só competia esporadicamente no kart – superou o preconceito inicial e decidiu competir para valer em 2006. Vai conciliar as pistas com a profissão de ator. Até porque estará na terceira fase da minissérie JK, da Globo.

Único homem entre os quatro filhos de um representante de vendas e de uma professora, o paulistano de 22 anos lembra das dificuldades enfrentadas pela família em 1990, durante o Plano Collor. O pai perdeu o emprego, a mãe abriu uma rotisserie e Paulo deu sua contribuição. “Pegava duas mochilas térmicas e saía para vender sanduíches”, diz. “Ele vendia mais do que eu”, conta a mãe, Gladys Nigro. A professora parou de dar aulas quando o filho entrou na novela Chiquititas, em 1997, e foi para Buenos Aires, onde o programa do SBT era gravado. “Ele chegou do teste dizendo que precisaria estar na semana seguinte na Argentina. Larguei tudo para acompanhá-lo.”

A mãe também estava ao lado de Paulo em fevereiro de 2005, quando sofreram um grave acidente automobilístico. Na época, ele fazia o seriado Malhação e viajava do Rio para São Paulo em uma noite chuvosa, quando o carro colidiu com um caminhão. O ator teve traumatismo craniano leve. Logo depois, ficou com medo de dirigir à noite. Os troféus conquistados em Interlagos provam que o susto não foi capaz de impedi-lo de correr atrás de seu sonho.