Celebridade  
Divulagação

Atualmente, a atriz está no ar
em Belíssima e produz a
peça As Turca

• • •
   Leia colunas anteriores

Irene Ravache

por diógenes campanha

Hélio de Campos Mello
Em 1977, Irene Ravache deu vida a um dos cinco personagens da peça Os Filhos de Kennedy. Sua personagem era Carla, uma aspirante a Marilyn Monroe que protagonizava um dos monólogos que compõem o espetáculo
A primeira lembrança de Irene Ravache sobre a peça Os Filhos de Kennedy remete a dois colegas de profissão. “Assisti a uma montagem no Rio e fiquei muito impressionada com o trabalho do José Wilker, que fazia um dos personagens. Depois, em São Paulo, o Nanini fez o mesmo papel e também foi maravilhoso”, conta a atriz. Só então começa a falar de sua própria participação no espetáculo, encenado em 1977. Na peça, dirigida por Sérgio Britto, Irene interpretou Carla, uma atriz de quinta categoria que, após o suicídio de Marilyn Monroe, acreditava que ocuparia o lugar da deusa. “Ela era uma coitada, desrespeitada pelo agente, com um cabelo declaradamente oxigenado e que usava roupas totalmente fora de moda”, descreve. Entre as histórias de bastidores, destaca-se uma, ocorrida na saída do teatro. Irene conversava com os colegas quando percebeu que era observada por um travesti do outro lado da rua. Ele se aproximou e lhe disse: “É você que faz a Marilyn, né? Eu queria dizer que sou Marilyn desde que ela morreu”. Para encarnar um mito tão poderoso, Irene contou com a ajuda da bailarina Renée Gumiel, que fez sua preparação corporal, e com a fonoaudióloga Glorinha Beutemüller, cujo método a impressionou tanto que nunca mais se separaram. Atualmente, ela mostra o quanto a voz é importante na construção de um personagem interpretando a grega Katina em Belíssima. Além de caprichar no sotaque em sua volta às novelas depois de quatro anos, Irene concilia as gravações com a produção da peça As Turca, que volta a ser encenada neste mês, em São Paulo.