Diversão & arte - Livros  
Fotos: Divulgação
• • •

Leia também

Cinema
Exposição
Gastronomia
Internet
Música
Teatro
Televisão
• • •
Biografia
Carmen - Uma biografia
Apesar do texto saboroso, Ruy Castro insiste em reforçar o mito da mais popular das cantoras brasileiras no Exterior em livro que esbarra na falta de frescor
Dirceu Alves Jr.
 Enquete: escolha os melhores de 2005
Fotos: Divulgação

Ruy Castro faz bela descrição da trajetória da artista, mas parece resistente em humanizá-la

Carmen Miranda era uma mulher do balacobaco. Um dos maiores mitos da indústria cultural, ela era dona de qualquer palco, comandava a carreira com firmeza e não tinha travas na língua. A partir deste forte personagem, Ruy Castro escreveu Carmen – Uma Biografia (Companhia das Letras, 600 págs., R$ 55) e muito se esperou do livro. Com ele nas mãos, principalmente o leitor que conhece Ruy Castro, sabe que o resultado, apesar da qualidade óbvia, não é o imaginado.

Ruy Castro é jornalista dos grandes, tem um texto saboroso e traz na bagagem biografias célebres, como O Anjo Pornográfico, sobre Nelson Rodrigues, e A Estrela Solitária, a partir de outro mito, Garrincha. Para falar de Carmen, ele pareceu obrigado a confiar mais em fontes bibliográficas que em entrevistas e isso se reflete no livro. Carmen perde em agilidade e frescor e se esbalda em detalhes que, mesmo nem tão inéditos, ganham força na escrita de Castro e garantem uma bela descrição da trajetória da artista.

Mas a mulher batalhadora e dura consigo mesma, que substituiu a carência afetiva com uma entrega ao trabalho quase suicida e alta devoção à família, demora a aparecer nas páginas. Ao contrário de desconstruir o mito, como fez com Nelson e Garrincha, parece que Ruy Castro insiste em reforçá-lo. E uma certa decepção no ar é inevitável. Carmen com filtro

Para ver Carmen
Desde a quinta 1º, a exposição Carmen Miranda Para Sempre, em cartaz no Museu de Arte Moderna (Av. Infante Dom Henrique, 85, Rio), oferece aos olhos dos fãs um pouco mais da mulher mais popular do Brasil no século 20. Num total de quase 700 itens, entre discos, capas de revistas, roupas, jóias e partituras, a mostra marca os 50 anos da morte da cantora e está dividida em dois núcleos, o brasileiro e o americano. Cenas de filmes protagonizados por Carmen nos Estados Unidos também serão exibidos
em um telão.