Celebridade  
Piti Reali

Em 2005, a jornalista trocou a emissora carioca pelo SBT.
“Tenho sorte de tomar as decisões certas no momento certo. Estou muito feliz”, diz

• • •
   Leia colunas anteriores

Ana Paula Padrão

por diógenes campanha

Arquivo Pessoal
Quando apresentava o Jornal da Globo, Ana Paula Padrão viajou três vezes para o Afeganistão, a primeira delas em janeiro de 2000

O Afeganistão hoje faz parte da minha vida.” É assim que Ana Paula Padrão define sua relação com o país asiático que visitou três vezes na época que apresentava o Jornal da Globo. A primeira, em junho de 2000, quando foi tirada a foto acima, na qual a jornalista aparece, no deserto, com o tradicional véu usado pelas mulheres muçulmanas. Embora tenha se preparado um ano e meio para gravar uma série de reportagens no país, então dominado pelo regime fundamentalista do Taleban, Ana Paula conta que se surpreendeu ao chegar ao destino. “Nunca vou esquecer a minha entrada no país. A impressão visual era muito chocante, foi como entrar em uma máquina do tempo”, diz. Encontrou um cenário medieval, onde as mulheres não saíam de casa, os mercados de rua eram precários e o comércio formal, praticamente inexistente. Para fazer as matérias, Ana Paula e sua equipe – o cinegrafista Hélio Alvarez e a produtora Guta Nascimento – assinaram um termo se comprometendo a não filmar nenhum ser vivo (“Ser vivo mesmo, incluindo cachorro”, frisa ela) sem a permissão do governo, sob penas que iam de perder as mãos ao fuzilamento em praça pública. Como filmaram secretamente escolas femininas clandestinas e centros comunitários para mulheres, tiveram que fugir da capital Cabul e acamparam duas noites no deserto. “Em nenhum momento tive medo de morrer, mas meu maior medo era perder essas fitas”, diz Ana Paula. Uma situação tensa, definida por ela como “um perrengue clássico”, mas que é parte fundamental da trajetória da apresentadora do telejornal SBT Brasil.